Follow by Email

terça-feira, 20 de outubro de 2009

EM POESIA... Eliana F Valença - Li Andorinha

Que a Poesia esteja em nossa existência
hoje e sempre...

Vânia Moreira Diniz ANIVERSÁRIO 21 outubro 09

Vânia Moreira Diniz ANIVERSÁRIO 21 outubro 09

20-10- Águas e a Poesia - a que se canta e a que se vive...

 Hoje é Dia Nacional do Poeta e da Poesia ?(veja mais abaixo carta do Movimento Poético Nacional -MPN- 20/10/1976).
Permito-me vagar em reminiscentes águas poéticas e transitar pela Poesia, a que se canta e a que se vive...
Ah, se lembrássemos da infância inventada como menciona o Poeta Mário Quintana, em sua obra Sapato Florido ... Quem já não sonhou riachos no fundo do quintal? Quando menina desejei ter sido trocada por uma prima que vivia no interior, ela sim possuía tais tesouros à mão e vista. Todas manhãs poderia, se assim quisesse, ter ido banhar-se em límpidas águas, colher da relva a Poesia, mascar lentamente o hortelã que vento semeia na terra logo que esta desperta...Um barco teria tido pronto à partida se ela eu fosse. A prima como eu, tornou-se professora, mas a a mim restou construir minha nau e lutar pelos sonhos através de versos sem fim, larguei o magistério logo cedo, que ela levou adiante assim como maternidade, matrimônio e diretoria de escola mas e a Poesia ? Soube que bem vive em sua terra natal que o arroio é conservado, que curte com os seus , nos finais de semana as nobrezas que preciso ainda muito navegar para contemplar. Realizei sonhos de viver em ilhas, conhecer o Planalto Central, a Chapada dos Guimarães, terras indígenas, rincões, caatinga, lagoas , a Cidade Maravilhosa e, das águas além mar sorvi algo bom... No mar da internet conheci Vâninha Moreira Diniz, que veio substituir minhas primas queridas e, de Poesia vestiu-se minha vida a partir do nosso encontro no final do século passado.
Ah, trocaria todos tesouros da terra por entre as brumas, em sonho colorido ter renascido, com uma cabeleira de algas e, que ousasse nelas perder-se algum Poeta !
Sim um Poeta que delicadamente entre páginas de sua vida e versos, medeixas minhas guardaria...
Devaneio à parte, pergunto-me; quais são as infâncias inventadas de hoje, o que habita os corações das meninas ? Em seu imaginário ainda existe riachos, cantigas de alvoreceres entre as flores e, o desejo de um barco possuir para sair dos confortáveis shopings centers ? Por Poetas suspiram ? E os meninos ainda desejam pescar futuros em estrelas marinhas, navegam em barcos sem fundo para mirar constelações ?

Amanhã aniversaria a Escritora e Poetisa Vâninha M.Diniz ( ver singela hoemnagem no álbum de fotos aqui )que entre as amigas da idade adulta , está na minha lista de esperanças de que a literatura iniciará ainda e sempre através dos versos...
Saindo da Prosa e adentrando à magia passo a seguir , estrofes do Poeta Arthur Rimbaud, extraídas de sua obra Barco ébrio- Bateau ivre, aproveitando para celebrar junto ao Dia Nascional do Poeta ( Poesia) o dia de nascimento deste ocorrido 20 de outubro 1854 em Charleville-1891, Marselha.

(...) Vislumbrei siderais arquipélagos! ilhas

De delirantes céus se abrindo ao vogador:

- Nessas noites sem fundo é que dormes e brilhas,
Ó Milhão de aves de ouro, ó futuro Vigor? –
Certo, chorei demais! As albas são cruciantes.
Amargo é todo sol e atroz é todo luar!
Agre amor embebeu-me em torpores ebriantes:
Que minha quilha estale! e que eu jaza no mar!
Se há na Europa uma água a que eu aspire, é a mansa,
Fria e escura poça, ao crepúsculo em desmaio,
A que um menino chega e tristemente lança
Um barco frágil como a borboleta em maio.(...)

Desejo ardentemente ,que hajam Poetas! Águas e apreciadores da Poesia não sómente em datas especiais, mas que dela sirvam-se em abundância. A linguagem poética assim como a música fala diretamente à alma e através destas artes os seres humanos reconhecem-se em miríades de sentimentos comuns , muitas vezes sufocados que necessitam serem expressados.
virgínia fulber -2009


MENSAGEM AOS POETAS DO BRASIL- Movimento Poético Nacional -MPN- 20/10/1976A poesia ainda vive neste mundo egoístico e cada vez mais confuso. O amor, néctar divino que constitui sua principal essência, está presente em todos os corações, A vida sem ele não tem sentido. Nós, poetas, temos portanto, um dever a cumprir: não deixá-la morrer.A natureza com seu verdejante manto poético, está sendo impiedosamente destruída pelo homem. Sente-se o massacre da poesia em toda parte para que, em seu lugar, o cimento armado e a poeira da civilização cubram a face da terra.A beleza expontânea da procriação nos reinos animais e vegetais transformou-se no artificialismo das próprias flores e os cristalinos manan
ciais de água pura, cujas cascatas eram celebradas por nossos cantos, cedem lugar às hidroelétricas, aos esgotos das fábricas e dos edifícios que congregam toda a promiscuidade humana.








Procura, porém, o homem ignorar, no meio de tanta destruição do que é belo, que não poderá viver sem amar a natureza que o rodeia e a poesia que tudo isto encerra.Nós poetas, guardiões do amor e da beleza, temos o dever de iniciar a guerra à iconoclastia, à degeneração do amor, ao esquecimento da poesia que aquece a alma humana com o calor da própria vida.Unamo-nos, em todos os rincões deste grande País, para festejar o DIA DA POESIA, tornando mais doce a primavera, menos árida a luta pela existência.A idéia da criação de um dia para festejar a poesia em plena primavera, foi lançada em 10 de outubro de 1974, no Clube Piratininga de São Paulo, quando então, se realizava uma das mais belas festas de confraternização de poetas e músicos. Concretizou-se no dia 20 de outubro de 1976, com a instalação do “MOVIMENTO POÉTICO NACIONAL” , em casa do consagrado poeta Menotti Del Picchia. E ela frutificou e tem suas raízes na campanha de salvação do amor e de tudo o que a natureza forneceu de belo ao homem, inclusive a poesia.Os poetas de São Paulo, organizadores deste movimento, conclamam seus confrades de todo o Brasil a festejarem no DIA 20 de OUTUBRO o DIA NACIONAL DA POESIA, que deverá estender-se, como um rastilho, ao próprio Universo.Que a música das águas puras de CASTÁLIA seja eterna no coração dos homens, é o nosso desejo!(Copiado da REVISTA A VOZ DA POESIA/ página 06 – edição comemorativa do 25° Aniversário do MPN – 2001)Texto recebido da amiga Prof. Escritora, Dramatura Ione Jaeger NHamburgo,em 2007-
**********************************************************************************
O "Dia do Poeta" parece ter sido escolhido sem uma razão específica. O Decreto-Lei No 66 de 30 de Agosto de 1978 da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, não procura justificar a data.
O "Dia do Poeta" também é comemorado em outros lugares do Brasil, no dia 4 de outubro. De norte a sul, outros dias Dia 16 de agosto - Comemora-se o "Dia do Poeta Recifense", no dia do nascimento de Mauro Mota, também chamado de "Poeta das Elegias", ocorrida em 1911, no Recife.Dia 4 de dezembro - Dia do Poeta Repentista Gaúcho -Nesta data o Decreto-Lei No 8.814, de 10 de janeiro de 1989, fixa o "Dia do Repentista Gaúcho" e do "Artista Regional Gaúcho".
Todo o dia é "Dia de Poesia"...in Moacyr Mallemont Rebello Filho (Historiador)*********************************************************************************************
Poesia

virgínia fulber além mar

no crepuscular silêncio
amanheço
sou dos avessos
das costuras transversais
das ruturas
dos solfejos pilares
lua cresce num sorriso
amanheceu na China
entre a névoa bem te digo
sou cosmopolita
exijo tempos in/temporais
numa paciência que a alguns irrita
estico ouvido
no silêncio ouço longe
magistral sinfonia
movimento desfila
revivo a experiência
de um ser desigual
um gosto por florestaestares
por passeios pequeninos
entre as gotas de orvalho
ruídos mares
expande o ser resignificando
experiências mínimas

*********************************************************************************************

Poesia - Momento

                virgínia fulber - além mar poetinha

Ímpeto, epifania, asas em beijo sem nome és meu ser ?
Envolve-me em êxtase
antigo querer
Brotas das rochas
das liras em oração
louvor à terra e aos homens
Vens e te dás em presença ...
presente de mim ?
Desatino nestas mãos
jorrando
águas
ansiado mar
rompendo o silenciar da noite amadurecida .
*******************************************************************

ilustrações 1- Vladimir Kush -(Moscou, 1965 vive em Los Angeles EUA
2- foto virg Chapada dos Guimarães 1979
 - Publicado também no Multiply Journal http://vicamf.multiply.com/journal/item/255/255