Follow by Email

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

EBook+Lento+Retrato+


Embora virtualmente e talvez por isso mesmo tive a impressão nítida que sempre a conhecera tal a profundeza de suas palavras embora a sentisse por vezes tensa. Depois soube que ela passava por um momento difícil e como eu sentia falta de minha cidade natal e ela também amava o mar a nossa conversa se desenvolveu por longos meses e para dizer a verdade continua até hoje com a mesma veemência. Sentíamos saudades, nostalgia e ao mesmo tempo a sensação que éramos amigas de infância e que a natureza, a vida e o universo exercia sobre nós duas a mesma atração. (...)" - (Continua na apresentação do ebook "Lento Retrato". (Vânia Moreira Diniz)-DOWNLOAD GRATUITO www.ebooks.avbl.com.br/biblioteca3/virginiafulber.htm
Divulgação em:

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Presente ...Poesia da querida Poeta Virgínia F. além mar


amigo meu querido amigo...amigo é janela de frente para o mar


Ser-estar presente

é o melhor presentear

como acalentar amor - amizade

entre os flocos do luar

como calçar os velhos sapatos da inocência...

é horizonte que nos convida a navegar

virgínia além mar



Penso noventa e nove vezes e nada descubro; deixo de pensar, mergulho em profundo silêncio e eis que a verdade se me revela." Albert Einstein

para ler mais um pouco dessa Poetinha Jardineira é só clicar aqui

*Poesia da querida Poeta Virgínia F. além mar

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

VALOR


ALBERT EISTEIN -

...Não tentes ser bem sucedido, tenta antes ser um homem de valor...


...Quando não há nada de especial para ocupar meus pensamentos, gosto de reconstruir teoremas de física e matemática que já são de meu conhecimento. Não há qualquer propósito nisso, senão o da mera gratificação de ocupar meu cérebro raciocinando.




...Se não fosse físico, acho que seria músico. Eu penso em termos de músicas. Vejo minha vida em termos de música.


...somente há dois infinitos: o universo e a estupidez; e não estou seguro do primeiro... esta última citada por Leonardo Boff in artigo 30 11 09




imagem - wikipédia

sábado, 14 de novembro de 2009

Dia Mundial da Filosofia - 15 de Nov. 19-11 UFRJ RJ

Dia Mundial da Filosofia na UFRJ - 2009


A Casa da Ciência da Universidade Federal do Rio de Janeiro será o palco da segunda edição do encontro Dia Mundial da Filosofia no Brasil, evento em comemoração à data criada pela UNESCO, em 2002. ...



Mais do que um dia de evento, o projeto pretende ser um colaborador para com iniciativas consonantes, uma antena para a Filosofia do mundo e um canal aberto entre a Filosofia e todos aqueles que buscam nela o conhecimento para a vida.

De forma a alinhar o projeto às perspectivas da UNESCO, a equipe do Dia Mundial da Filosofia no Brasil tem o prazer de convidar a todos para esse dia de reflexão e debate acerca do saber contemporâneo e de como ele pode ser implementado em favor da vida e da liberdade de pensamento.

domingo, 8 de novembro de 2009

EMBRIAGUEZ TOTAL

Embriaguez Total
Eliana f.v. - Li Andorinha

Ampara o corpo exausto
Agregando na alma
A energia semeada
Em pegadas na areia

No brincar do amor com o sereno
Interliga sintonias mágicas
Recolhe estilhaços do aroma noturno

Deixa minha sensação arrepiada...
Como lambida pelo mar

Veste-me do canto da alvorada...
Afagado pelo luar

Nesse deslumbre inexplicável
Com minha alegria alvoroçada
Quem me toma é a embriaguez

Despertando a inspiração...
Exigindo-me até de madrugada!
**//**

*Alegria e Gentileza
independente dos atropelos
dão energia ao sorriso...
do Amor Universal*
Eliana f.v. - Li Andorinha


terça-feira, 3 de novembro de 2009

O Poder do ponto de vista humano - divulgando e desabafando


Quanto mais alienada a juventude maior facilidade às quadrilhas engravatadas também, continuarem agindo ... Desinformação, falta de instrução, de lideranças comprometidas em mudança de raiz dá nisso .. O Poder corrompe e a traição é inevitável (? ). A caminhada evolutiva mostra o quanto as questões subjetivas estão envolvidas nos problemas objetivos.

Se não assistiram indico : Ives Gandra da Silva Martins fala sobre novo livro. "Uma Breve Teoria do Poder" analisa a busca pelo poder do ponto de vista da natureza humana. no link a entrevista no Programa do Jô exibido dia 27/10/09 ( logo abaixo )

Estou muito a fim de comprar o livro, vou buscar na Feira que acontece em Poá até 15 deste mes .
Decidi postar o vídeo após ter lido na Isto é independente - Corrupção nanica, estrago gigante-http://www.terra.com.br/istoe/edicoes/2086/artigo155173-1.htm
e ter recebido um chamado para uma manifestação pública em repúdio ao descaso das autoridades e sistema de saúde à epidemia do crack..
Não há fatos isolados tudo está relacionado, corrupção drogas, luta pelo poder , manipulações...Buscar a paz implica em conhecer um pouco mais sobre a natureza humana e tentar melhorar a si mesmo, arregaçar as mangas ,




escrevendo, marchando, cantando, enviando @, divulgando o que se acha interessante.... Tenho feito o que posso, sem culpa mas por impulso ou por instinto de sobrevivência mesmo... Confesso ;ando bem cansada, e enojada mas resta um alento e vontade de lutar na esperança que cada um tenha real interesse por sua vida e o comprometimento com o todo, que não nos sintamos demasiadamente impotentes ao ponto de calar . Creio que cegueiras e anestesias já não nos servem assim como os governantes que não o fazem ...
e buscar a paz implica em conhecer um pouco mais sobre a natureza humana e tentar melhorar a si mesmo, arregaçar as mangas , escrevendo, marchando, cantando, enviando @, divulgando o que se acha interessante...




Tenho feito o que posso, sem culpa mas por impulso ou por instinto de sobrevivência mesmo... Confesso ;ando bem cansada, e enojada mas resta um alento e vontade de lutar na esperança que cada um tenha real interesse por sua vida e o comprometimento com o todo, que não nos sintamos demasiadamente impotentes ao ponto de calar . Creio que cegueiras e anestesias já não nos servem assim como os governantes que não o fazem ...

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Convite Exposição Internacional museuimagensdoinconsciente

Convite Exposição Internacional museuimagensdoinconsciente
JÁ PASSEI POR LÁ FANTÁTICAS OBRAS
CLIQUE NO TÍTULO,

Finados - Maria Lindgren




A água entrava pela minha varanda a ponto de me fazer usar rodo e pano de chão, coisa que perdi o treino de usar. Mais uma das chuvaradas de verão em plena primavera, daquelas que dão vontade de se ficar deitada, lendo um bom texto, pensando, cochilando de quando em vez. Sem trovoada, os passarinhos se encolheram um pouco, com esperanças de voltarem a desafiar o trânsito barulhento logo, logo. As flores aqui e ali tremelicavam e se mantinham nas hastes, não importa a fragilidade de seus sustentos. A flor cor de vinho que se fecha à noite ensaiou seu ritual em pleno dia, deixando-me meio temerosa de seu destino. O fícus, as palmeiras e o único pé de orquídea não deram a mínima: sabiam que chuva sem enchente não mata ninguém, muito menos vegetação.
Era véspera de Finados, Dia de Todos os Santos, em que sempre imagino a trabalheira dos santos para receberem as homenagens e os pedidos, em festa gigantesca, se a gente pensar na inclusão dos beatos.
Em terra de feriadões, eu não me havia tocado de que Finados estava logo ali, com seu cortejo de memórias dos que perdemos ao longo da vida. Incoerência feriadão neste dia, me parece, mas não à maioria carioca, que quer ir à praia e beber vários chopinhos.
Durante três dias, a televisão, sem se importar com a data, anunciava que seria um feriadão de sol total, tempo raro nesta primavera da cidade do Rio de Janeiro e de muitas outras regiões do país.
_ Que nada!, exclamou o sábio porteiro. Vai é chover, isso, sim. Se fizer sol, ele logo se esconde, a senhora vai ver.
Pela primeira vez fã do horário de verão que alonga o dia, decido ir ao cemitério niteroiense na véspera de Finados, como fazia minha mãe, para evitar a confusão do Dia, às vezes, para nossa chateação de quase adolescentes, pois gostávamos da “farra” de muita gente e até paquerávamos.
“Chova ou faça sol, vou de táxi, por via das dúvidas”.
Proclamei aos quatro ventos – meu marido, meus dois filhos e minha empregada - que ia ao cemitério.
- Não me procurem. Vou dedicar o Dia primeiro à Missa de Todos os Santos. Recebo pingos de água benta na igreja e me mando pra Niterói, logo a seguir, santificada duas vezes.
No aprazado dia 1 de novembro, a maior chuva. Meu filho aflito ao telefone:
- Mãe, você tem coragem de atravessar a Ponte com este tempo?
- Claro. Não vou me atrapalhar por causa de chuva. Pode ser até que a Ponte esteja menos entupida, como acontece nos feriados. Tenho capa, guarda-chuva e minhas pernas dão pro gasto. Não é à-toa que faço minha hidro quatro vezes por semana.
Às duas horas em ponto, o motorista competente me aguarda. Pego o carro direto na educada portaria de meu prédio, feita para embarque e desembarque à porta, sem respingos nem buzinas. Está um dia quente e o ar condicionado médio me faz colocar a capa às costas. Sinto uma ameaça de tristeza, mas o papo com o motorista a minimiza.
- O cemitério que a senhora vai é aquele pequeno, do Barreto? Acho muito melhor do que o maior, mais bem tratadinho. Aliás, gosto mesmo é de gramado com a lápide à moda americana. Com chuva, então, fica uma beleza, bem verdinha. Não sei porque aqui é tão caro e tão longe. Acho que é falta de espaço, né mesmo?
A ponte me faz lembrar da primeira vez em que vi, emocionada, a barca de Niterói e os navios como de brinquedo, lá-á-á em baixo.
- Bela obra! Pena que tenha morrido gente na construção.
- É mesmo?, Não sabia disso.
Claro, gente jovem não sabe tantas histórias boas ou ruins como nós. Estou a ponto de lhe mandar abrir o Google e ler o histórico da Ponte Rio-Niterói, mas me refreio. Penso que os podres não se contam.
Mal enxergo esfumaçada a Ilha Fiscal, uns poucos navios e uma regata sob a maior chuva. Em cima e debaixo d´água. Fico abestalhada com a coragem dos intrépidos desportistas. As velas vermelhas e brancas se destacam na névoa da chuva.
Mais alguns minutos e a entrada para o Barreto. Gente, que terra mais feiinha, Deus me perdoe. O bairro do cemitério está igualzinho ao que era, mas bem deteriorado. Parece terra que não cresce jamais. A não ser que tenham preferido construir shoppings e prédios em outra parte do bairro.
O cemitério se aproxima e bem tratado, com grades pintadas de azul e muros brancos quase sem pichação. A florista é a mesma de cinqüenta anos atrás. Uma loja de raras flores bonitas e arranjos de mau-gosto. Tenho horror a flores misturadas sem capricho de japonês. A meu lado, uma senhora vestida corretamente, o que denota algum status, reclama do preço.
- Gente! Tá muito caro vinte reais por esse tantinho de flor! Quê que deu na sua cabeça D. Guiomar? Graças a Deus que eu vim prevenida.
Tenho vontade de lhe explicar que é até barato, se considerarmos que Finados é um dia por ano.
Compro minhas flores brancas, não sei que nome têm, mas não as misturo de jeito nenhum com palmas de Santa Rita, rosas e margaridas meio murchas.
Chego ao túmulo negro abraçada com as flores, debaixo do guarda-chuva cinza, rodeada de cinzento por todo lado, mas cercada de meninos que se dispõem a lavar o granito preto. E o fazem com o maior capricho, em algazarra gostosa que quebra o tom lúgubre do dia.
A pouco e pouco, os nomes de meus mortos, desde meus avós que não conheci, até meus pais, em caligrafia bonita, do tipo manuscrito. Arrumo as flores com cuidado de Mrs, Dalloway, de Virgínia Woolf, e me sinto bem.

Maria Lindgren - coluna da autora no VMD
aqui
ilustração - virg.
Shirin
Neshat 2004 Women Without Men_________________________________________________________________________

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Sentimento, Pensamento e o redespertar primaveril...- breves considerações

sobre valores culturais, conjunto de crenças e
a saúde psi...*

* virgínia além mar *

" Ausência de doença pode ser saúde,
mas não é vida" D. Winnicott

Freud em sua obra magna “O Mal Estar na Civilização”, no primeiro capítulo, segundo parágrafo, dirige-se à Romain Rolland , para tratar da sensação descrita por este como " Sentimento Oceânico " , esta que segundo este último é uma sensação de infinitude, de comunhão , sentimento experimentado no útero materno e, pode ser experimentada na fusão amorosa e trata-se de uma religiosidade independente de religião e de fé ... Uma sensação, um experiência do sagrado que difere das sensações de separação, cisão e abandono. Segundo Freud, as religiões teriam apropriado-se de reminiscências deste " sentimento "...

Fundamental é recuperar o sentido do sagrado no dia a dia, a vida por si só é repleta de encantamento e mistério. Entretanto desde Platão a crença de incompletude nos lançou para fora de nós mesmos numa busca insana de apropriação dum outro, este outro não é outro é o mesmo, ou seja nós mesmos , nossas mais estranhas sensações positivadas , encaradas, encarnadas.Criamos em torno de nós mesmos uma armadura protetora , esta oriunda o medo desde as primeiras experiências de separação do paraíso ; o ventre materno.Freud apesar de não ter experimentado em si o " sentimento oceânico " não desconsiderou a possibilidade de algumas pessoas gozarem desta experiência. Lembrando que Freud deteve-se aos aspectos " doentes" das pessoas e não em seus aspectos saudáveis.
Maslow em seu trabalho Hierarquia das Necessidades básicas refere-se a um estágio que poucos alcançam, a satisfação da necessidade de auto-realização. Experiências de cume ou de pico, no campo da expansão da consciência, que incluem sentimentos elevados de êxtase e comunhão com a natureza, o deslumbramento, a gratidão e a unicidade. Então , quando o ser humano envolvido e absorvido no mundo, em perfeita integração ao universo interno e externo haveria uma experiência única, denominada platô e que traria mudanças no sistema individual de valores e crenças. Este mesmo estudioso falava que alguns indivíduos tinham maior consciência de uma vivência do sagrado de todas as coisas e que a dessacralização, a falta de sentido de sagrado na vida diária seria um dos mecanismos de defesa do ego estabelecidos para um empobrecimento da vida e para não se realizar potencialidades.

A auto-realização passa pela criatividade, pelo brincar, pela imaginação consciente, o lado noturno de Gaston Bachelard, o poético encantamento, o devaneio...Uma personalidade equilibrada tem maior chances de vir a também realizar-se na esfera dos relacionamentos afetivos, pois que adquire a permissão de vivenciar o sagrado de si mesmo, capacidade de estar só " mergulhado " em seus próprios interesses e atividades criativas dando espaço a si mesmo e ao outro.Nossa crise é a do espaço-tempo...Ampliar o espaço/tempo é uma peculiaridade do artesão , aqui artista em cada um. Apreciar uma obra de arte, ouvir música, ler um poema, desfrutar do aqui e agora e ser preenchido a tal ponto de comungar com o universal acarreta num estado de ânimo , alma, no qual o ser por inteiro está envolvido, esquecido , imerso, absorvido.

Como o mote aqui é saúde e bem estar, gostaria de citar um paragrafo de " Senso Íntimo: Poética e Psicologia, de Fernando Pessoa a James Hillman, defendida em 1995 na Universidade Federal Fluminense por Carlos Bernardi - Se a progressão da sanidade em direção à saúde mental é distinguida pelos graus de literalismo, então a estrada terapêutica que conduz da psicose para a sanidade é aquela que retorna pela mesma passagem hermenêutica — desliteralizar. Para sermos sãos devemos reconhecer nossas crenças como ficções, e perceber as nossas hipóteses como fantasias.(...)

Uma percepção ampliada possibilita absorver a beleza, jovialidade que a estação primaveril nos oferece, um chamamento ao reencontro com a leveza e estados diversos do ser, nas transformações possíveis.
Recorrendo novamente Carlos Bernardi em um paragrafo diz -Hans Vaihinger, autor do livro "A Filosofia do 'Como Se'". James Hillman mostra que, dos três fundadores da psicanálise, Sigmund Freud, Carl Gustav Jung e Alfred Adler, é justamente este último que mais relações estabelece entre Psicologia e a filosofia do "como se". Em seu estudo dedicado a Alfred Adler, Hillman vê no autor austríaco um precursor da "consciência pós-moderna", na medida em que substitui os sistemas "metapsicológicos" de Freud e de Jung por uma atitude que busca revelar as ficções dos sistemas, desliteralizando-os, apontando a perda da capacidade destes sistemas perceberem seus próprios "como se". É também interessante percebermos que, para Adler, o grau de loucura caminha lado a lado com um aumento do literalismo de suas crenças. Para Adler a pessoa normal é aquela que mantém uma postura metafórica diante de princípios e metas. O neurótico, por sua vez, substantiva estes princípios. Já o psicótico eleva-os à categoria de dogmas. Hillman comenta esta equação sanidade, loucura, ficção e dogma.

Ouvindo Primavera de Vivaldi e o concerto para clarinete e orquestra de Mozart , trilha sonora do filme Out of Africa ( entre dois amores) baseado na obra autobiográfica de Isak Dinesen**, penso nas nuvens que foram rios, umidade da terra, oceano e que suspensas na atmosfera nos parecem grandes pássaros planando , espreitando... Estão em constante mutação, parafreseando o Poeta Mário Quintana ; de eterno só as nuvens...

Aquele que não se deixa transformar, permanecendo preso as suas crenças, dogmas, estando distante de sentir a plenitude e , ou ter contato com sentimento oceânico, integração com a natureza ? O que denominamos vida caracteriza-se pelo dinamismo e pelas trasformações... Bem mas este assunto é bem mais complexo e não podemos limita-lo a alguns “ sentimentos" nem a algumas clasificações.

Retorno à beleza primaveril , na floração podemos apreciar seu mais belo aspecto; o desabrochar das cores e nuances, o ir e vir dos pássaros e insetos, muito embora nem todos botões se abram e, nem todas sementes fecundem, fato que lembra-me novamente a obra de Freud e as teorias do desenvolvimento da sexualidade humana e seus desdobramentos.






O livro que desejo recomendar é DISFUNÇÕES SEXUAIS de Cassandra P. França que pode ser lido parcialmente aqui in Biblioteca de vicamf - Google Livros . Para ler Apresentação da obra e efetuar compra clique aqui. Os Poemas relacionados ao tema são “Pessoas” e “ MULHER ? “ de minha autoria, se desejarem ler ou reler será um privilégio já que um mar de letras e Poesia está disponível na rede ...



Notas
1- * este texto foi publicado em 2006 sob título O Sagrado re ligare ,no extinto Jornal Ecos - reeditado no Portal Maytê em 07 -também extinto reescrito no início deste mês de outubro de 09
2- **Isak Dinesen ,o pseudônimo de KAREN BLIXEN

domingo, 25 de outubro de 2009

das amizades-

das amizades-

DOMINGO 25 -10 dica releitura e Crônica nova



dica releitura
crônica

POEMA -Eliana de Faro Valença - para Virgínia além mar

Poeta Amiga Madrinha!

Para poeta jardineira Virgínia F. além mar

da tua irmã-afilhada Li Andorinha -Eliana de Faro Valença


Minha querida Madrinha

Amiga... Jardineira... Irmã...

Virgínia escritora bailarina


Poetinha jardineira

Metamorfose em rima

Abraço da diversidade


Tão suave como a brisa

Baila em versos estrelas

Semeando a flor-poesia

Com sua alma faceira


Professorinha da alma

Tão intensa no seu além amar

Me ensinou a ouvir o silêncio

E a sentir o carinho do mar


És um ser encanto-alado

No ar da imensidão

Que também me ensinou...

A arte da contemplação

25-10-2009

***/***

Virgínia além mar minha doce irmã-madrinha

Inteiramente deslumbrada com teu carinho colorido

que me deixa voando como um beija-flor e cantando

como um bem-te-vi...

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Soberania Poética- Elizabeth Misciasci & Poetas - virgínia além mar

Poeta... És Soberano®

*Elizabeth Misciasci


Na platéia da vida,
Assisto teus atos!
E entre o glamour que te espera,
Pressinto o porvir.
Sob os aplausos,
Predigo tua deixa.
Precioso...

És feito rubi!
Incutida é tua presença,
Indefeso...

O sol brilha pra ti.
No cenário que ao fundo te espera,
Se acende,
realça teu tom!
Mística é a luz que te cerca,
Vou plasmando teus sonhos aqui.
E no palco ao trovar,
Tu és brilho!!!
Lírico! -

És até Menestrel!
Vai...
Guarda assim o que é teu
Por direito.
Soberano,
tens o Mundo enfim.

Registro de Averbação:- 252.901 Livro 451 Folha -61.Fundação Biblioteca Nacional Ministério da Cultura-*Elizabeth Misciasci - Jornalista, Humanista, Escritora, Pesquisadora. Presidente do Projeto zaP!*Embaixadora Universal da Paz no âmbito do Círculo Universal dos Embaixadores da Paz.Cercle Universel Des Ambassadeurs De La Paix - Suisse/France *Membro Correspondente da Governadoria da InBrasci no Estado de São Paulo- Insti Bras Culturas Internacionais -*Membro Efetivo AVSPE*Cônsul Cidade de São Paulo - Poetas do Mundo -Brasil. -ID 2860 Fones: 55 (XX) 11 2023.2686 55 (XX) 11 9677.9428 e 55 (XX) 11 6461 1907 http://www.eunanet.net/beth/index.php http://reticencias.blogse.com.br/blog http://www.revistazap.org/
http://www.avspe.eti.br/avspe2009/ElizabethMisciasci.htmhttp://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=2860

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

de Vânia Moreira Diniz - Eu Chorei, eu chorei ... Então, devolvi a ti o mar, enfim irmã amada

Eu chorei, chorei
De Vânia Moreira Diniz


Em terno AGRADECIMENTO à Vica Além Mar,
Minha amiga, minha irmã.

Eu Chorei, chorei,
De emoção, ternura e reconhecimento,
De lágrimas que purificaram meu coração,
Numa amizade longa, profunda e verdadeira,
De um mundo pacífico, bondoso e ameno.

Eu chorei, chorei,
Ao sentir o carinho e parceria expressos,
Cada linha a sugerir bondade em cada passo,
Recordando-me momentos difíceis e belos,
Que ultrapassamos no riso e no pranto.

Eu chorei, chorei,
Ao sentir os anos que tinham velozmente corrido,
Os cognomes com que tínhamos nos batizado,
Em momentos de confidências e ternos desabafos,
Ao sentir a empatia que liderou nosso convívio.

Eu chorei, chorei,
Ao lembrar-me da literatura que ambas amamos,
Dos silêncios ou palavras no virtual diálogo,
A força que nos unia em instantes trágicos,
E que nos fazia caminhar, as lágrimas enxugando.

Eu chorei, chorei,
Na alegria que se manifestava no soerguimento,
Na poesia que emanava tão naturalmente,
Da prosa literária que nos fazia esquecer os prantos
e poder descrever a vida tão espontaneamente.

Eu chorei, chorei,
Ao lembrar-me das vitórias, cada palavra saboreando,
Da luz da literatura que nos uniu e lembrou
Que vivemos cada minuto em fiel afeto comemorando,
E deixando que as lágrimas desçam celebrando,
Alegria, amor, amizade, união coração unidos e felizes.

Obrigada com lágrimas, muito sorriso, emoção e sem
Palavras com o peito apertado em muito carinho,
Obrigada! Oh Deus me sugira a mais forte palavra
Para que eu possa expressar a minha felicidade.

Eu chorei, chorei, eu sorri, sorri
De felicidade e de ventura, lágrimas e muitos risos
Eu chorei, eu sorri e lhe abraço, literatura e vida,
Eu sorri, sorri , em meio às lágrimas de felicidade.

Oh Deus me envie a palavra para que mais possa chorar,
Rindo, rindo muito entre abraços, afeto e carinho.
Amada amiga e irmã Virgínia Além MarOBRIGADA!
Vânia Moreira Diniz



Minha irmã de sonhos e vida

Vâninha Poeta do que se vive e mais além em sonho se constrói
enfim devolvo-te ao sal
tempero da terra , solo do oceânico dom
ânima e animus integran-se
num doce alívio da ansiedade
por tanta felicidade que faz doer o coração ...
Dissolvendo comoção em veros és encanto
vela altiva , convite ao alto mar
de salivadas palavras
À ti minha flor de copacabana
um recorte de agrado;
o meu mais terno momento deste dia
num abraço alegre pela aceitação
de singela homenagem
lembrando o rouxinol e a rosa de Oscar Wilde
que cada um ecebe com o coração que tem
És esta que recebe com grandiosidade
e retribuis de forma inusitada
deixando esta tua irmã envaidecida
por participar de tua grandiosa vida
hoje amplamente em festa ! virgínia além mar

Vânia Moreira Diniz ANIVERSÁRIO 21 outubro 09

Vânia Moreira Diniz ANIVERSÁRIO 21 outubro 09

Eco Arte - - o medo não cria f. Venturini - Michèle Sato

clique nas imagens para ver detalhes

terça-feira, 20 de outubro de 2009

EM POESIA... Eliana F Valença - Li Andorinha

Que a Poesia esteja em nossa existência
hoje e sempre...

Vânia Moreira Diniz ANIVERSÁRIO 21 outubro 09

Vânia Moreira Diniz ANIVERSÁRIO 21 outubro 09

20-10- Águas e a Poesia - a que se canta e a que se vive...

 Hoje é Dia Nacional do Poeta e da Poesia ?(veja mais abaixo carta do Movimento Poético Nacional -MPN- 20/10/1976).
Permito-me vagar em reminiscentes águas poéticas e transitar pela Poesia, a que se canta e a que se vive...
Ah, se lembrássemos da infância inventada como menciona o Poeta Mário Quintana, em sua obra Sapato Florido ... Quem já não sonhou riachos no fundo do quintal? Quando menina desejei ter sido trocada por uma prima que vivia no interior, ela sim possuía tais tesouros à mão e vista. Todas manhãs poderia, se assim quisesse, ter ido banhar-se em límpidas águas, colher da relva a Poesia, mascar lentamente o hortelã que vento semeia na terra logo que esta desperta...Um barco teria tido pronto à partida se ela eu fosse. A prima como eu, tornou-se professora, mas a a mim restou construir minha nau e lutar pelos sonhos através de versos sem fim, larguei o magistério logo cedo, que ela levou adiante assim como maternidade, matrimônio e diretoria de escola mas e a Poesia ? Soube que bem vive em sua terra natal que o arroio é conservado, que curte com os seus , nos finais de semana as nobrezas que preciso ainda muito navegar para contemplar. Realizei sonhos de viver em ilhas, conhecer o Planalto Central, a Chapada dos Guimarães, terras indígenas, rincões, caatinga, lagoas , a Cidade Maravilhosa e, das águas além mar sorvi algo bom... No mar da internet conheci Vâninha Moreira Diniz, que veio substituir minhas primas queridas e, de Poesia vestiu-se minha vida a partir do nosso encontro no final do século passado.
Ah, trocaria todos tesouros da terra por entre as brumas, em sonho colorido ter renascido, com uma cabeleira de algas e, que ousasse nelas perder-se algum Poeta !
Sim um Poeta que delicadamente entre páginas de sua vida e versos, medeixas minhas guardaria...
Devaneio à parte, pergunto-me; quais são as infâncias inventadas de hoje, o que habita os corações das meninas ? Em seu imaginário ainda existe riachos, cantigas de alvoreceres entre as flores e, o desejo de um barco possuir para sair dos confortáveis shopings centers ? Por Poetas suspiram ? E os meninos ainda desejam pescar futuros em estrelas marinhas, navegam em barcos sem fundo para mirar constelações ?

Amanhã aniversaria a Escritora e Poetisa Vâninha M.Diniz ( ver singela hoemnagem no álbum de fotos aqui )que entre as amigas da idade adulta , está na minha lista de esperanças de que a literatura iniciará ainda e sempre através dos versos...
Saindo da Prosa e adentrando à magia passo a seguir , estrofes do Poeta Arthur Rimbaud, extraídas de sua obra Barco ébrio- Bateau ivre, aproveitando para celebrar junto ao Dia Nascional do Poeta ( Poesia) o dia de nascimento deste ocorrido 20 de outubro 1854 em Charleville-1891, Marselha.

(...) Vislumbrei siderais arquipélagos! ilhas

De delirantes céus se abrindo ao vogador:

- Nessas noites sem fundo é que dormes e brilhas,
Ó Milhão de aves de ouro, ó futuro Vigor? –
Certo, chorei demais! As albas são cruciantes.
Amargo é todo sol e atroz é todo luar!
Agre amor embebeu-me em torpores ebriantes:
Que minha quilha estale! e que eu jaza no mar!
Se há na Europa uma água a que eu aspire, é a mansa,
Fria e escura poça, ao crepúsculo em desmaio,
A que um menino chega e tristemente lança
Um barco frágil como a borboleta em maio.(...)

Desejo ardentemente ,que hajam Poetas! Águas e apreciadores da Poesia não sómente em datas especiais, mas que dela sirvam-se em abundância. A linguagem poética assim como a música fala diretamente à alma e através destas artes os seres humanos reconhecem-se em miríades de sentimentos comuns , muitas vezes sufocados que necessitam serem expressados.
virgínia fulber -2009


MENSAGEM AOS POETAS DO BRASIL- Movimento Poético Nacional -MPN- 20/10/1976A poesia ainda vive neste mundo egoístico e cada vez mais confuso. O amor, néctar divino que constitui sua principal essência, está presente em todos os corações, A vida sem ele não tem sentido. Nós, poetas, temos portanto, um dever a cumprir: não deixá-la morrer.A natureza com seu verdejante manto poético, está sendo impiedosamente destruída pelo homem. Sente-se o massacre da poesia em toda parte para que, em seu lugar, o cimento armado e a poeira da civilização cubram a face da terra.A beleza expontânea da procriação nos reinos animais e vegetais transformou-se no artificialismo das próprias flores e os cristalinos manan
ciais de água pura, cujas cascatas eram celebradas por nossos cantos, cedem lugar às hidroelétricas, aos esgotos das fábricas e dos edifícios que congregam toda a promiscuidade humana.








Procura, porém, o homem ignorar, no meio de tanta destruição do que é belo, que não poderá viver sem amar a natureza que o rodeia e a poesia que tudo isto encerra.Nós poetas, guardiões do amor e da beleza, temos o dever de iniciar a guerra à iconoclastia, à degeneração do amor, ao esquecimento da poesia que aquece a alma humana com o calor da própria vida.Unamo-nos, em todos os rincões deste grande País, para festejar o DIA DA POESIA, tornando mais doce a primavera, menos árida a luta pela existência.A idéia da criação de um dia para festejar a poesia em plena primavera, foi lançada em 10 de outubro de 1974, no Clube Piratininga de São Paulo, quando então, se realizava uma das mais belas festas de confraternização de poetas e músicos. Concretizou-se no dia 20 de outubro de 1976, com a instalação do “MOVIMENTO POÉTICO NACIONAL” , em casa do consagrado poeta Menotti Del Picchia. E ela frutificou e tem suas raízes na campanha de salvação do amor e de tudo o que a natureza forneceu de belo ao homem, inclusive a poesia.Os poetas de São Paulo, organizadores deste movimento, conclamam seus confrades de todo o Brasil a festejarem no DIA 20 de OUTUBRO o DIA NACIONAL DA POESIA, que deverá estender-se, como um rastilho, ao próprio Universo.Que a música das águas puras de CASTÁLIA seja eterna no coração dos homens, é o nosso desejo!(Copiado da REVISTA A VOZ DA POESIA/ página 06 – edição comemorativa do 25° Aniversário do MPN – 2001)Texto recebido da amiga Prof. Escritora, Dramatura Ione Jaeger NHamburgo,em 2007-
**********************************************************************************
O "Dia do Poeta" parece ter sido escolhido sem uma razão específica. O Decreto-Lei No 66 de 30 de Agosto de 1978 da Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, não procura justificar a data.
O "Dia do Poeta" também é comemorado em outros lugares do Brasil, no dia 4 de outubro. De norte a sul, outros dias Dia 16 de agosto - Comemora-se o "Dia do Poeta Recifense", no dia do nascimento de Mauro Mota, também chamado de "Poeta das Elegias", ocorrida em 1911, no Recife.Dia 4 de dezembro - Dia do Poeta Repentista Gaúcho -Nesta data o Decreto-Lei No 8.814, de 10 de janeiro de 1989, fixa o "Dia do Repentista Gaúcho" e do "Artista Regional Gaúcho".
Todo o dia é "Dia de Poesia"...in Moacyr Mallemont Rebello Filho (Historiador)*********************************************************************************************
Poesia

virgínia fulber além mar

no crepuscular silêncio
amanheço
sou dos avessos
das costuras transversais
das ruturas
dos solfejos pilares
lua cresce num sorriso
amanheceu na China
entre a névoa bem te digo
sou cosmopolita
exijo tempos in/temporais
numa paciência que a alguns irrita
estico ouvido
no silêncio ouço longe
magistral sinfonia
movimento desfila
revivo a experiência
de um ser desigual
um gosto por florestaestares
por passeios pequeninos
entre as gotas de orvalho
ruídos mares
expande o ser resignificando
experiências mínimas

*********************************************************************************************

Poesia - Momento

                virgínia fulber - além mar poetinha

Ímpeto, epifania, asas em beijo sem nome és meu ser ?
Envolve-me em êxtase
antigo querer
Brotas das rochas
das liras em oração
louvor à terra e aos homens
Vens e te dás em presença ...
presente de mim ?
Desatino nestas mãos
jorrando
águas
ansiado mar
rompendo o silenciar da noite amadurecida .
*******************************************************************

ilustrações 1- Vladimir Kush -(Moscou, 1965 vive em Los Angeles EUA
2- foto virg Chapada dos Guimarães 1979
 - Publicado também no Multiply Journal http://vicamf.multiply.com/journal/item/255/255

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Pauta ARTES- ÁGUIAS - ANTOLOGIA & Feira do Livro -NH- RS

Para ver fotos clique aqui

Estamos na segunda quinzena de outubro , a poucas horas do início do horário de verão e, a temperatura aqui no RS hoje foi tão baixa quanto nas tardes de inverno. Mesmo assim a
27ª Feira do Livro Novo Hamburgo RS nesta noite de sexta feira, teve um excelente público. Tivemos entre os convidados a presença do Escritor Fabrício Carpinejar que apresentou seu trabalho solo no palco do Teatro Paschoal Carlos Magno “O Choro é Livre” contando com a participação e destaque do octagenário músico Plauto Cruz. Os músicos são artistas da cidade de Sâo Leopoldo, esta que nesta edição da Feira do Livro Regional é homenageada como cidade originária, - cidade-mãe de NH.O restinho de frio convida à Serra Gaúcha, uma boa pedida é dar uma chegada em Gramado, cidade que hospedará o EVENTO CULTURAL do Grupo Á.G.U.I.A - AmiGos Unidos Incentivando as Artes, conf. convite -divulgação logo abaixo .

Participo da Antologia dos Á.G.U.I.A 2009 ( ver rel autores aqui), entretanto não pude estar no evento para autografá-la aí em Gramado, mas o ferei em NHamburgo na Feira nesta tarde de 17 de outubro.Agradeço imensamente ao ÁGUIA Roberto Jung por gentilmente otimizar meu acesso aos exemplares da referida obra. Honrosamente passarei às mãos do imortal e querido amigo escritor Moacyr Scliar na manhã deste mesmo sábado, bem como à nossa querida Secretária da Cultura, também médica, Anita de Oliveira e ainda à presidente de nossa Academia regional ALVALES, Renate G. dos Santos quando com demais membros desta entidade - Academia Literária do Vale dos Sinos estaremos realizando um Sarau, juntamente com Escritores e Poetas do Vale do Rio dos Sinos; entre os presentes estarão, Celestino Kieling, Rosangela Mariano, Geison de Moraes Machado, Ana Seibert, Ângela Venturini, Roseli Hubler, Carlos José F. Ramos, Jonara , Márcia Dieter, Marco Antonio Damian, Vanda Spieker de Oliveira e o Patrono da Feira ,escritor Henrique Schneider .
Pretendo realizar mais algumas doações de exemplares da ANTOLOGIA ÁGUIA Prosa e Versos 2009 Prosa e Verso às Escolas representadas na Feira e, à nossa Biblioteca Pública posteriormente .A 27ª Feira do Livro Novo Hamburgo encerra suas atividades neste domingo 18 de outubro, às 17:30 com espetáculo da Orquestra de Sopros de Novo Hamburgo. Minha esperança é que à magia dos instrumentos de sopro a Primavera não resista e com suas brisas amenas volte a regar-nos ,o que seria um ótimo acomapnhamento à imaginação advinda do folear de novas leituras.
É quase manhã, uma leve neblina cobre as estrelas, retornarei amanhã quando a noite for minha cúlplice outra vez, com mais notícias e novas fotos em pauta.
...
Domingo 18 de outubro, em novo horário de verão, brisa primaberil e um tímido sol retorno como prometi acima, para comunica aos meus gentis leitores e amigos que o sábado ocorreu conforme o esperado e além alegrias, encontros e reeencontros.Espero que apreciem as fotos e que venham nesta tarde ainda, sorver o aroma de nossa Praça 20 e deliciar-se com a leitura e convívio cultural que aí acontece e, ainda viajar aos som de nossa excelente orquestra de sopro.

Retornarei amanhã, com novas fotos e mais algumas impressões sobre este momento cultural.








Música, Filosofia & Poesia - Linguagens que aproximam em tempos marcados por dissonâncias afetivas

Linguagens que aproximam,
em tempos marcados por dissonâncias afetivas
- divagações filopoéticas, quase surreais, com alguma consistência referêncial-
Ao meu filho que completou trinta anos de idade,
neste último 22 de outubro, e àqueles que pelo
amor possível anseiam
* virgínia além mar

A vida sem música é um erro, uma tarefa cansativa, um exílio- * -Assim falou Zaratustra -F. Nietzsche

Encontros deram-se através das paixões comuns tais como a música e filosofia, às afinidade pré existentes agregaram-se outras, isto aconteceu tanto em relacionamentos reais quanto nos virtuais, mas é sobre este úlitmos que atenho-me com mais acuidade nos paragrafos a seguir.

O diálogo virtual proporcionou e proporciona aprofundamento no mundo das idéias, leituras e universos pessoais encontram-se, tangenciam-se no invisível atemporal. O interior se faz compreensível através de diversas linguagens. Como explicar aproximações fulminantes? No virtual uma memória de futuro antecipa-se aos fatos e nele mesmo devires são permeados de intuição, esta que está contida na escrita onde o rítmo , musicalidade íntima deixa-se perceber.

Busquei expressar em palavras recentemente; Do invisível -A música parceira de todas horas preenche a atmosfera com as cores da alma... Entre ausências imagens, sons -mar-rítmos movem meus cataventos ...

Antecipa-se ao pensamento todo sentir, ou seja a emoção é primordial à razão, esta estando à serviço da primeira. Tentamos explicar racionalmente, através da linguagem, que é pensamento o sentido, incomensuravelmente maior que o vocabulário existente e disponível. O corpo tem sua própria linguagem, na teatrealidade expressa-se, toda arte é tentativa de fazê-lo e, quando impossibilitado compõe patologias...
Entre as "loucuras" inclu-se o querer encontrar sentido a tudo que nos acontece, a vida talvez não tenha sentido , mas é certo que o que sentimos por vezes causa espanto devido as proporções que os sentimentos tomam .
Talvez o que haja é o inexplicável e inexpressibilidade e, que assim continue até o último dos dias, contudo intentar compreender e expressar é nos peculiar. Por ventura aceitamos as inúmeras interpretações possíveis aos acontecimentos?
Permitimos, admitimos singularidades filosófica, abertura ao pensamento que buscar criar conceitos que descrevam percepções... ?
A Poesia, enquanto arte, permite-nos a liberdade expressiva que outras áreas do conhecimento humano impedem além de não requer outra instrumentação que o corpo do Poeta e s c r i v i n h a d or...
Transcrevo trechos do meu EBook Parolas ao Sol, pag 23 e 24 ;
Pai - teus gestos impregnam os meus, para decifrar teus silêncios busquei
dialogar com o mundo. Com tuas palavras aprendia a ouvir orquestrações
também íntimas e conectar-me aos devires ...
amigos - Nietzsche foi o amigo em comum que reencontrei em minha grandes amizades. Dos mais diversos recantos do planeta fomos agregando-nos em torno de seu pensamento nômade . Quando íamos nos reconhecendo , detectávamos a afinidade com sua filosofia o que vinha a confirmar nossa aproximação através do pensamento antes mesmo dos contatos físicos acontecerem .
"Em última instância , ninguém pode escutar mais coisas do que aquilo que já sabe. Não se tem ouvido para aquilo a que não se tem acesso a partir da experiência." F. Nietzsche ...
Gosto de crer que atraímo-nos consoante aproximações entre nossas leituras individuais do mundo, este que nos cerca e permeia.
Por motivos que não sei explicar a não ser pela intimidade ocorrida muito cedo, desde que tenho lembrança de existir, com audição musical dos clássicos, música erudita, instrumental em geral, incluindo as composições medievais, incrivelmente belas, em detrimento ao popular , tornei-me ouvinte sensível e não por questão de erudição musical. O gosto viria da alta freqüência vibracional que as notas atingem transcendendo o palpável, o vivido, resgatando o elo dos sentidos universais ?

Através deste devaneio um pouco longo e talvez desinteressante pretendo ilustrar a profundidade em que algumas aproximações acontecem. Ocorre que a palavra magia vem à mente em certas ocasiões.

Momentos desta natureza sorvo em companhia de Rafael e Michèle, esta que entrou em minha vida em meados de 2006 e, trouxe consigo alguns amigos.Na ocasião escrevi -
Das Articulações Invisíveis - nos silêncios mais íntimos das madrugadas/ no pulsar da chama acesa na audição solitária de Bach /no mais ermo recanto da terra /o mistério nos aproxima/ águias, pombas, gaivotas/seres do silêncio a quem nada escapa /ouvido atento aos chamados dos ventos/ah! nós que ouvimos um pouco /cremos nas flautas/nos tique taques nos assovios /a menor dissonância / atentos /em nós sempre um berço /um terço a mais pianiedade...

O conceito pianiedade criei nos idos de 1979,, para dar conta de encontros de intensidade semelhantes onde parece que são as infâncias ( in fante que não possui fala ) que dialogam utilizando a linguagem primordial - a música possibilitando entendimento capaz de superar dissonâncias que linguagens outras apresentam. De maneira que quando em pianiedade o encontro se se faz, acontece , silêncios e verbo harmonizam-se abrindo portas ao nfinito...

Entretanto tais devaneios filopoéticos são vazios diante à música "Interior" de -Raphael Veronese, pode ser encontrado nos mecanismos de buca da rede .
Tido como de conhecimento amplo é o efeito benéfico que a música exerce sobre os seres vivos não somente ao homem, existem vários estudos sérios a respeito.
Para falamos em Concertos e sua ampla divulgação é necessário falarmos de um compositor da renascença e a sua importância, refiro-me à Antonio Vivaldi.
Posto aqui um vídeo muito bem feito para ilustrar uma vez que o vídeo é de muita qualidade .
Retornando à Rafael, sobre este compositar e sua interpretação escreveu belamente Michèle Sato( professora, pesquisadora em educação ambiental que buscando a interface da filosofia da arte com o ecologismo, sob as influências do surrealismo.UFMT) uma apresentação Museu Humano: imagem, texto e som na arte de Raphael Veronese.
Aos que encontram na filosofia de Nietzsche uma identificação e , ou gostariam de mais conhecer sua relação com a música , há um excelente Livro a consultar intitula-se , NIETZSCHE E A MÚSICA de Rosa Maria Dias.
Boa pedida é rever Dias de Nietzsche em Turim, de Júlio Bressane- um filme sensorial, que não deixo poeira sentar, há cenas extraordinariamente belas - diria ...um ode à vida !
Finalizo com as sábias palavras do filósofo tão querido, que a mais de quarenta e tantos anos, tem sido amigo de cabaceira e, companheiro em ocasos e auroras mais pungentes...
" temos a arte para que a verdade não nos destrua"

Ilustrçs. Piano VladimirKush Moonlightsonata e
ArtPoética formt Michèle Sato Duo Michèle e virg. Piano & Pintura

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Aquarela em Poesia- Vânia Diniz & Vania Serra


Convite
A Editora Ottoni com o apoio da Livraria cultura convidam para o coquetel

de lançamento do Livro de Vânia Diniz & Vania Serra Aquarela em Poesia


clique na capa do livre e entre no site para ler Resenha
e ver o convite de lançamento

Natureza & Inocência -Referência à AVSPE em evento A Natureza em Versos




Houve um tempo ruim, muito ruim mesmo, a aridez de sentimentos conheci, faz muito tempo mais de três décadas... Houve outros , mas sem dúvida aquele foi o pior de todos o que levou-me a recordá-lo hoje, foram as palavras da Poeta e amiga Efigenia Coutinho, Presidente Fundadora da AVSPE, palavras recebidas por E Mail , em agradecimento às mensagens postadas no Livro de Visitas da sua Academia literária -Tenho certeza, de todas as virtudes, e são muitas, existe uma que me é muito familiar, a PUREZA- Efigênia Coutinho-
Que bela maneira de reencontrar o singelo sinônimo para inocência - Pureza!
Foi então que reportei-me aos tempos tão ruins pois foi pela pureza de coração que roguei junto à mãe natureza, dirigindo-me à ela e assim ao Eterno, que tudo conhece pois está além do Tempo, talvez por ser o Próprio.
Só um coração puro (apto à respiração ampla) é capaz de acreditar na humanidade pois transforma a mente, otimiza , oxigena e permite esquecer o mal recebido por ignorância ( medo, neuroses... Sobre a origem das neuroses de angústia podem ler meu artigo na rede aqui.) .
Estar saudável é ser capaz de perdoar, deixa passar e seguir em frente na esperança de que mudanças acontecem e que todos caminhamos em direção à evolução e, que o contato íntimo com as crianças podem devolver-nos as sensações primeiras através de seu sorriso , sua respiração ampla, seu bocejo natural, a luta de seus corpos para livrar-se do mal, choram, ainda o podem! E, logo após ao choro estão aptas à novidade...
Coração Puro, portam-no os de quem ainda não conhecem o mal e seguem adiante pois projetam em torno de si a pureza que possuem e desta forma mudam a realidade não somente a sua mas a paisagem em torno de si - do que um corpo é capaz ! A pureza nos faz crer que a escuridão é apenas ausência de luz ...Recordo a mensagem do Sábio messias , talvez o único Cristão! Este em sua lucidez disse que somente os puros de coração conheceriam o reino dos céus( alegria?) e, que este reino pertence às crianças. (inocência- esquecimento- fé esperança !) Jesus de nazaré foi mal compreendido e, sobre sua mensagem amorosa e acolhedora ergueram-se juízos e torres inversas às pontes ...Novamente recorro à citação Zen- É preciso tronar-se homem para entender as palavras... Traduzindo é preciso torna-se Pessoa para compreender o sentido das palavras, despojar-se de excessiva racionalidade , seres humanos nem sempre são pessoas, pois possuem a capacidade de tornam-se, com o passar do tempo, semelhantes às coisas que produzem...

A parte criança livre em nós é naturalmente aberta à novidade , afinal nascer é estar em um novo mundo e sem desejo de nele incerir-se e adaptar-se seria impossível sobreviver... Criança no bom sentido do termo é aberta ao encanto e, busca pelo melhor. quem escolheria, em sã consciência, um mal a um bem ...? Lembrou-nos Espinosa na sua Ética. E o filósofo Nietzsche , em sua obra a Genealogia da Moral , expõe uma psicologia do cristianismo, onde é realizada uma análise do surgimento do espírito de ressentimento contra dos valores naturais e nobres. Tal análise é um primeiro passo para a transvaloração de todos os valores; Culpa, má consciência e afins: nele encontra-se uma psicologia da consciência. O ateísmo consiste em não possuir dívidas com os deuses: uma segunda inocência !

Mas por que tamanha apologia à inocência – pureza ?
Porque um corpo (peito- coração) enfermo( fechado), rígido lembra-nos mórbidez, guarda ressentimentos, não encontra-se puro, impregnado de mucosas passadas, retém palavras, expressões e impressões de vida ,assim como reteve choro e riso, aprisionou a vida. O que não circula putre-fica . Em contato com corpos em tais circustâncias estamos expostos à contaminação, são péssimos encontros dos quais só pessoas que possuem em si próprias uma quantidade excedente de energia livre, sábias( saudáveis) conseguem perceber e libertar-se, distanciar-se e reabastecer-se de fontes inesgotáveis que encontramos na natureza. Bom salientar que corpos, que estão aprisionados são vampirescos e tendem a grudar, tem dificuldade de largar. Reparem como algumas pessoas não conseguem abrir-se aos encontros fecham-se em pequenos círculos de amizade ou mesmo numa relação amorosa (?), ou a algum membro da família, numa postura nada semelhante a das crianças que logo após desmamarem anseiam por novas fontes de energia, são dinâmicas e, se deixarmos a porta aberta pegam a estrada e vão adiante conquistando o mundo, lançando-se aos devires...

Em meu Poema R E L I G A R , que integra o magno Evento da AVSPE 2009 -A Natureza em Versos, que também está publicado no VMD em minha Coluna , dedicado ao meu filho , faço referencia ao esquecimento necessário - (...) O ar limpa minha pele, o calor do sol /lava minha alma... /Então estou plena de mim estando entre e /nada mais é importante... /Esqueço-me um pouco, esqueço do que quero e por ventura quis /e do que esqueci de esquecer... ,

Alonguei-me demasiadamente e vos peço desculpas pois esta crônica principalmente trata-se de um agradecimento à vida seus enigmas com reverência às Poetas e fabulosas amigas Efigênia Coutinho , Vânia MDiniz, Eliana de Faro Valença -Poeta Princesa das Andorinhas e, à eterna Juliana Alles de Camargo e Souza, amiga dos tempos de colégio( cursamos juntas o Magistério) doutora em letras que ainda sabe ler com o coração e resguarda um olhar pungente.
Contudo o agradecimento estende-se à todos que de alguma forma acreditam e estão em busca de sua segunda inocência...
Para finalizar deixo a sentença do filósofo Gilles Deleuze;
-... a existência é culpada ou inocente? Então Dionísio encontrou sua verdade múltipla, a inocência, a inocência da pluralidade, a inocência do devir e de tudo que é....A inocência é o jogo da existência, da força e da vontade. A existência afirmada e apreciada, a força não separada, a vontade não desdobrada, esta é a primeira aproximação da existência...