Follow by Email

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Finados - Maria Lindgren




A água entrava pela minha varanda a ponto de me fazer usar rodo e pano de chão, coisa que perdi o treino de usar. Mais uma das chuvaradas de verão em plena primavera, daquelas que dão vontade de se ficar deitada, lendo um bom texto, pensando, cochilando de quando em vez. Sem trovoada, os passarinhos se encolheram um pouco, com esperanças de voltarem a desafiar o trânsito barulhento logo, logo. As flores aqui e ali tremelicavam e se mantinham nas hastes, não importa a fragilidade de seus sustentos. A flor cor de vinho que se fecha à noite ensaiou seu ritual em pleno dia, deixando-me meio temerosa de seu destino. O fícus, as palmeiras e o único pé de orquídea não deram a mínima: sabiam que chuva sem enchente não mata ninguém, muito menos vegetação.
Era véspera de Finados, Dia de Todos os Santos, em que sempre imagino a trabalheira dos santos para receberem as homenagens e os pedidos, em festa gigantesca, se a gente pensar na inclusão dos beatos.
Em terra de feriadões, eu não me havia tocado de que Finados estava logo ali, com seu cortejo de memórias dos que perdemos ao longo da vida. Incoerência feriadão neste dia, me parece, mas não à maioria carioca, que quer ir à praia e beber vários chopinhos.
Durante três dias, a televisão, sem se importar com a data, anunciava que seria um feriadão de sol total, tempo raro nesta primavera da cidade do Rio de Janeiro e de muitas outras regiões do país.
_ Que nada!, exclamou o sábio porteiro. Vai é chover, isso, sim. Se fizer sol, ele logo se esconde, a senhora vai ver.
Pela primeira vez fã do horário de verão que alonga o dia, decido ir ao cemitério niteroiense na véspera de Finados, como fazia minha mãe, para evitar a confusão do Dia, às vezes, para nossa chateação de quase adolescentes, pois gostávamos da “farra” de muita gente e até paquerávamos.
“Chova ou faça sol, vou de táxi, por via das dúvidas”.
Proclamei aos quatro ventos – meu marido, meus dois filhos e minha empregada - que ia ao cemitério.
- Não me procurem. Vou dedicar o Dia primeiro à Missa de Todos os Santos. Recebo pingos de água benta na igreja e me mando pra Niterói, logo a seguir, santificada duas vezes.
No aprazado dia 1 de novembro, a maior chuva. Meu filho aflito ao telefone:
- Mãe, você tem coragem de atravessar a Ponte com este tempo?
- Claro. Não vou me atrapalhar por causa de chuva. Pode ser até que a Ponte esteja menos entupida, como acontece nos feriados. Tenho capa, guarda-chuva e minhas pernas dão pro gasto. Não é à-toa que faço minha hidro quatro vezes por semana.
Às duas horas em ponto, o motorista competente me aguarda. Pego o carro direto na educada portaria de meu prédio, feita para embarque e desembarque à porta, sem respingos nem buzinas. Está um dia quente e o ar condicionado médio me faz colocar a capa às costas. Sinto uma ameaça de tristeza, mas o papo com o motorista a minimiza.
- O cemitério que a senhora vai é aquele pequeno, do Barreto? Acho muito melhor do que o maior, mais bem tratadinho. Aliás, gosto mesmo é de gramado com a lápide à moda americana. Com chuva, então, fica uma beleza, bem verdinha. Não sei porque aqui é tão caro e tão longe. Acho que é falta de espaço, né mesmo?
A ponte me faz lembrar da primeira vez em que vi, emocionada, a barca de Niterói e os navios como de brinquedo, lá-á-á em baixo.
- Bela obra! Pena que tenha morrido gente na construção.
- É mesmo?, Não sabia disso.
Claro, gente jovem não sabe tantas histórias boas ou ruins como nós. Estou a ponto de lhe mandar abrir o Google e ler o histórico da Ponte Rio-Niterói, mas me refreio. Penso que os podres não se contam.
Mal enxergo esfumaçada a Ilha Fiscal, uns poucos navios e uma regata sob a maior chuva. Em cima e debaixo d´água. Fico abestalhada com a coragem dos intrépidos desportistas. As velas vermelhas e brancas se destacam na névoa da chuva.
Mais alguns minutos e a entrada para o Barreto. Gente, que terra mais feiinha, Deus me perdoe. O bairro do cemitério está igualzinho ao que era, mas bem deteriorado. Parece terra que não cresce jamais. A não ser que tenham preferido construir shoppings e prédios em outra parte do bairro.
O cemitério se aproxima e bem tratado, com grades pintadas de azul e muros brancos quase sem pichação. A florista é a mesma de cinqüenta anos atrás. Uma loja de raras flores bonitas e arranjos de mau-gosto. Tenho horror a flores misturadas sem capricho de japonês. A meu lado, uma senhora vestida corretamente, o que denota algum status, reclama do preço.
- Gente! Tá muito caro vinte reais por esse tantinho de flor! Quê que deu na sua cabeça D. Guiomar? Graças a Deus que eu vim prevenida.
Tenho vontade de lhe explicar que é até barato, se considerarmos que Finados é um dia por ano.
Compro minhas flores brancas, não sei que nome têm, mas não as misturo de jeito nenhum com palmas de Santa Rita, rosas e margaridas meio murchas.
Chego ao túmulo negro abraçada com as flores, debaixo do guarda-chuva cinza, rodeada de cinzento por todo lado, mas cercada de meninos que se dispõem a lavar o granito preto. E o fazem com o maior capricho, em algazarra gostosa que quebra o tom lúgubre do dia.
A pouco e pouco, os nomes de meus mortos, desde meus avós que não conheci, até meus pais, em caligrafia bonita, do tipo manuscrito. Arrumo as flores com cuidado de Mrs, Dalloway, de Virgínia Woolf, e me sinto bem.

Maria Lindgren - coluna da autora no VMD
aqui
ilustração - virg.
Shirin
Neshat 2004 Women Without Men_________________________________________________________________________

3 comentários:

  1. quanta elegância Maizé querida , tmbém fui , mas apenas a sepultura de meu pai, dos avós fica muito distante.
    a estética do cemintérios n. é sabida e enaltecida de hoje... adoro apreciar a bela arte dos túmulos, desde a infância um local de serenidade, com muitos pássaros, por vezes o únicos a habitar o museu a céu aberto q. são certos cemintérios.
    No em que meu pai está tbém n. s. permitidas lápides, apenas , jadim, lá estão plantadas flores amarelas e coloco algumas rosa lilases, e brancas, artificiais, n. s. permitidas naturais , apenas as plantadas, p. prevenir a dengue...
    parabéns e grata por momento de cenas dignas de fimlme... e grata por postar no contemporâneas. bjs
    de admiração e amizade, tua leitora, virgínia além mar

    ResponderExcluir
  2. (...)A florista é a mesma de cinqüenta anos atrás. Uma loja carcomida de raras flores bonitas e arranjos de mau-gosto. Tenho horror a flores misturadas sem capricho de japonês. Compro minhas flores brancas, não sei que nome têm, mas não as misturo de jeito nenhum com palmas de Santa Rita, rosas e margaridas meio murchas.
    Chego ao túmulo negro abraçada com as flores, debaixo do guarda-chuva cinza, rodeada de cinzento por todo lado, mas cercada de meninos que se dispõem a lavar o granito preto. E o fazem com o maior capricho, em algazarra gostosa que quebra o tom lúgubre do dia.
    Arrumo as flores com cuidado de Mrs, Dalloway, de Virgínia Woolf, e me sinto bem. Rezo. Maria Lindgren

    ResponderExcluir
  3. Que satisfação te ler Maria Lindgren!
    Concordo com a querida Virgínia..."cenas
    dignas de filme"
    "meninos que se dispõem a lavar o granito preto. E o fazem com o maior capricho, em algazarra gostosa que quebra o tom lúgubre do dia." imagem que empresta um colorido de fazer sorrir até o mais triste dos dias!
    Grata por compartilhar teu belo texto
    Beijos com carinho da Eliana

    ResponderExcluir

comentários são bem vindos, grata!