Follow by Email

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Divagações II – virgínia além mar


Ao andar pela cidade, diariamente por quarenta e cinco minutos, muitos pensamentos e reflexões me assolam. Penso quando a noite no computador, irei registrar tais considerações. Retorno ao trabalho e a inspiração é tragada pelas angústias e dores dos pacientes. Entrego-me e esqueço da Poesia, da reflexão e cota de alegre descoberta mental. A noite enfim sento-me frente ao PC na esperança de que a bela idéia retorne mas ao contrário um branco absoluto instala-se. Como não bastasse a si mesma, a falta traz consigo um sentimento de total desnecessidade de algo registrar, como se aquilo, o isto que me pareceu de alguma importância já não a tivesse e num disparate desnecessário tornara-se.



Então procuro por uma palavra que traduza a palidez casta da lua as cinco da tarde. Rogo por uma expressão capaz de, ligeiramente, capturar as cores da água que corre e leva consigo imagens ribeirinhas. Persigo um adjetivo que defina a abóboda celeste regada de misteriosa lentidão, indiferente a pressa humana soprada pelo hálito das vinte horas. Reviro um dicionário mental sem encontrar o signo que transcenda o delírio dos amantes ...



São estes todos meus particulares invernos, como se a neve dos pólos em meu cérebro estivesse...



Mas é de fato inverno no sul, menos rigoroso mas típico, com manhãs geladas, chuva abundante e algumas flores da estação amenizando meios dias de mãos nos bolsos e pés enfiados em meias e botas deixando abafados dedinhos que sentem uma saudade danada de pisar em cálidas areias e transpirar livremente.



Um olé é necessário; temos agasalhos e por aqui grandes calamidades não houveram.



Borbulha no frasco que contem frágil existência, uma herança; fragrância dos trópicos quimeras da primavera eterna a soprar é a vida e nela cabem lembranças e sobretudo esquecimentos e a eles brindo pois que outono com sucesso alcançou seu final e consigo tantas crianças e fizeram-nos crer que as que vivem no céu sorriem, por doce inocência e latente uma palavra ressurge no horizonte entre raios e trovões desta noite; vida !

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Pelo Meio Ambiente e por nós mesmos - virgínia além mar



Falar de meio ambiente sem mencionar a importância dos povos indígenas é cometer erros do passado, assim como falar do meio ambiente sem tocar na questão da ecologia mental-afetiva( Felix Guattari ) seria um equívoco que criaria um abismo ainda maior entre o homem e seu meio, o ambiente que ele cria, melhor co-criador é o homem contemporâneo, mais que no passado pois a consciência de interferência humana na natureza que o acolhe e que faz parte, já é bastante ampla e difundida.



Mesmo que querendo esquecer e mergulhar numa atitude alienada e desinteressada, já não é mais possível ao homem sonâmbulo encontrar abrigo fora das lutas comuns a todo aquele que traz em si o mais forte clamor biológico; a preservação da espécie. Para que seu direito seja preservado os dos demais igualmente terão que ser respeitados, incluindo fauna e flora. Homens do campo, da floresta, das montanhas, do litoral, ou seja, todos constituem uma só raça com um diversidade impressionante. As diferenças culturais se enriquecem e muitas dignidades são louváveis, conquistas a serem aprendidas, contempladas com humildade e reverência.


Nesta semana do Meio Ambiente, no dia em que culminam as manifestações desejo não calar, assim como tenho expressado modestamente meu clamor à terra e aos índios, meus irmãos em poesia, deixo-os com meu mais profundo e caloroso abraço queridos amigos com estas singelas palavras em defesa do que é simples, real e magnífico; pisar este chão, respirar ao ar livre sem máscaras, mergulhar em águas puras, morder os frutos frescos e sem pesticida, deixar uma chuva fina lavar as culpas por inúmeras vezes esquecer de louvar e ajudar a replantar o que se destrói e ou usurpa sem limites.


Então que flor orvalhada possa conter a ânsia de que as crianças sejam a esperança e que possam no futuro olhar para trás e agradecer por termos virado o jogo a tempo de seus próprios filhos regalarem-se com alguns encantos naturais.



mais uma dica lindíssimo vídeo de uma banda que adoro

Enigma - Return To Innocence

... Uma criança no escuro, tomada de medo, tranqüiliza-se cantarolando. Ela anda, ela pára, ao sabor de sua canção. Perdida, ela se abriga como pode, ou se orienta bem ou mal com sua cançãozinha. Esta é o esboço de um centro estável e calmante, no seio do caos. Pode acontecer que a criança salte ao mesmo tempo que canta, ela acelera ou diminui seu passo; mas a própria canção já é um salto: a canção salta do caos a um começo de ordem no caos, ela arrisca também deslocar-se a cada instante...(Deleuze e Guattari - nós inventamos o Ritornelo