Follow by Email

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Das potencialidades Natalinas - virgínia f. além mar

Natal é a Festa da esperança simbolizada pelo Nascimento daquele chamado o Filho de Deus.



Fomos chamados por Ele de irmãos, filhos amados do Supremo Criador, iguais em valor, iguais em merecimentos e responsabilidades.

A cada minuto ou segundo, nasce um novo ser, puro e abençoado que podemos chamar de irmão e, assim deveríamos celebrar todos nascimentos como dádiva e esperança pois, em cada um o elo se fortalece e a esperança se renova, apesar de poucas vezes nos darmos conta e, até esquecer da importante, para todos, mensagem que cada nascimento contém; o sagrado é revelado, a vida pulsante, misteriosa energia que afeta e é afetada constantemente...

O nascer e renascer é a grande lição que recebemos toda manhã quando o sol ilumina a criação. Córregos brilham como as folhas e o pelo dos animais. A relva torna-se reluzente assim como tua alma que se põe a cantar com os pássaros recém acordados para a grande e inigualável jornada - o novo dia.

Natal é um abençoado momento de comunhão e, renovo minhas esperanças que esta data seja marcada pelo congraçamento melhor, pelo acolhimento; que cada ser humano seja reconhecido como membro da grande família universal que transcende, laços sanguíneos, etnias, credos e quaisquer divergências que se possa supor. No meu entendimento, no espírito Cristão está imbuído do conhecimento de que o atentado a um só membro da família enfraquece o todo, pois que se medir a potência de um corpo pelo mais frágil de seus membros. É mister portanto, continuarmos a nos apoiar mutuamente cada vez mais para que tenhamos uma sociedade global saudável física e psicologicamente, diria até possuidora da verdadeira inteligência integral.

Tenham uma radiante, esperançosa e potencializadora confraternização Natalina !


Ilustração- O nascimento de Jesus retratado numa tela de 1535-40, pintada pelo artista florentino Agnolo Bronzino.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Leveza - *virgínia além mar

Leveza - *virgínia além mar


A garoa fria rega meus sentimentos   Um rumor, a princípio estranho,

Surge em meu peito, apenas por momentos  A estranheza constrói catedrais e componho...



Na pele arrepiada as cores do arco íris suponho Pensamentos, de foro íntimo, como botões se abrem  Contrariando a química, o frio aquece os que sabem  Da ternura adormecida no sonho...



Oh! Quão grande são as ondas d´ oceano  Que através da garoa fina navegam   E, dentro do mais profundo revela o que amo



Silenciam os corredores do cotidiano   O etéreo faz-se presente e, em naus prossegue   Adentrando a noite diversa e fecunda, o que me faz leve...



&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&


Foto: “Garoa”, do flickr uyra1, tirada no Vale do Anhangabaú.




“Alguns não aceitam que, na vida do outro, um desejo qualquer se manifeste. Preferem amar cadáveres” ccalligaris

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Fertilidade no dia de Saudades - 02 Novembro...- virgínia além mar

Hoje não é dia de tristezas mas de saudades, saudades é sentimento daqueles que ficam dentro do peito, em nossas veias, em nossos mais profundos pensamentos, que de alguma forma nos afetaram, modificaram nossa maneira de olhar e sentir a existência.
Hojé é dia em que as sementes são lembradas nos frutos e flores.
Dia de Pitangas maduras...
Tem coisa mais delicada que uma Pitangueira em flor ?

 
Existe algo tão saboroso quanto colher, na primavera, pitangas, pequenos frutos lustrosos de aroma peculiar...

Pois neste dia de saudade e reverência vou visitar o local onde jazem inertes (?) os ossos de meu falecido Pai. Sobre o gramado que cobre seu túmulo uma frondosa Pitangueira resiste além das orquídeas. Os pássaros entoam os cânticos da fertilidade nesta época alimentando-se dos frutos e insetos . Sob a sombra das folhas lustrosas , colho alguns frutos e ergo os olhos em gratidão e saudade deste que foi o primeiro ecologista que conheci, um homem de visão; meu amado pai. Portanto hoje é um dia especial não só de relembrar o quanto fui por ele influenciada e, a importância de cultivar o silenciar dos ruídos do mundo para entrarmos em nosso íntimo e aprofundar o conhecimento de nós mesmos e, descobrir o que tece nossos “agoras”... Talvez isto seja eternidade...



O dia dos Mortos, é uma tradição milenar, sendo um dos cultos mais antigos, presente em quase todas as religiões. Inicialmente era ligado aos cultos agrários e de fertilidade.

Para os mais antigos, os mortos eram como sementes, e por isso eram enterrados com vistas à ressurreição.

A Morte está associada à fertilidade. Alguns povos primitivos celebravam ( e ainda mantém-se em algumas culturas a tradição ) de celebrar o Dia de Finados com fartos banquetes junto aos  túmulos. Povos  primitivos rogavam pela  proteção de seus ancestrais  para plantações e boa fortuna nas colheitas.

Na antiguidade greco-romana, o culto das almas (manes) era celebrado com o cerimonial da vegetação.

Hipócrates ( considerado pai da medicina), baseado na mesma crença, afirmou que os espíritos dos defuntos “fazem germinar e crescer as sementes”.

Os hindus comemoram os mortos em plena fase da colheita, como a festa principal do período.

Desde o século 1º, os cristãos rezam pelos falecidos; costumavam visitar os túmulos dos mártires nas catacumbas para rezar pelos que morreram sem martírio.

Para os católicos, dizer que quando uma pessoa morre tudo acabou não é verdade. Os católicos crêem que o testemunho de vida daquele que morreu fica como luz acesa no coração de quem continua a peregrinação. Para tanto, eles acendem velas no Dia de Finados, buscando celebrar e perpetuar a luz do falecido.

A escolha da data se deu em virtude do dia de todos os santos, 1º de novembro, pois os religiosos acreditavam que todas as pessoas, ao morrerem em santidade, entram em estado de graça, mesmo não sendo canonizados.

fonte paragrafos grifados - internet.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O AMOR É A ESSÊNCIA!!!- Silvanio Alves

O AMOR É A ESSÊNCIA !!!
    - Silvanio Alves



O meu coração é movido pelo amor

E nele, a essência da vida se manifesta

Nesse aspecto todo o meu ser faz festa

Para experimentar o gosto de seu sabor



Quem ama sabe se deliciar e sentir prazer

Nada se compara a doce alegria de viver

Não se pode sentir a vida sem saber amar

É um fluir de sentimentos a me modificar



As células produzem as condições do amor

Que vem e se apresenta no pulsar do coração

E desse jeito o ser se entregar inteiro à paixão



Um coração que não se abre para amar é estéril

E não tem sensibilidade para admirar o céu cor anil

Não vive as emoções que a vida gera em cada ser

Silvanio Alves- Publicado no Recanto das Letras em 06/09/2010-Código do texto: T2482026

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&

O que mais poderia acrescentar a tão profundas e verdadeiras palavras que de forma poeticamente expressas contém a essencia do estar conectado à existência. Parabéns Poeta Silvanio, que me honra com sua amizade além de seus conhecimentos da alma humana.abraços, tua virgínia

imagem- kiss gustav klim

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

EFIGÊNIA COUTINHO SACIEDADE DOS POETAS VIVOS DIGITAL - VOL. 11

Estou embevecida com a Poética de nossa querida Efigênia Coutinho que além de talentosa Sonetista é uma Poetisa de sensibilidade rara, sua alma empresta nobreza ao seu carater .
Efigênia Parabéns pela participação espetacular, neste projeto do Blocos, Leila e sua equipe levam a literatura contemporânea além mares, unindo subjetividades, criando laços e restaurando humanidade e beleza nos lares.
abraços a todos(as)

com admiração e afeto sinceros, vossa virgínia fulber, além mar -


SACIEDADE DOS POETAS VIVOS DIGITAL - VOL. 11 -
EFIGÊNIA COUTINHO

Água menina
Barco do amor
Encontro do mar
Sorriso da aurora
Noite tempestuosa
Danço


segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Um homo publicus como poucos

Há muito não uso meu próprio blog, não sei bem porque. Talvez por modéstia. Hoje acordo com volúpia de marido que saiu cedo para trabalhar e corro ao texto que escrevi sobre ele. Descaradamente. Ele merece o título que deveria ser um homo publicus mais que correto.
Espero que gostem, amigos.

Um homo publicus

- Não sabia que o senhor era um homem público! -, exclama, entre surpresa e feliz, a gerente do banco mais importante da cidade. Daqueles que aparecem na tevê e se auto-intitulam especiais porque atendem à gente mais celebrada do Rio de Janeiro: atores de TV, músicos e cantores de rock abrasileirado ou de samba de classe, empresários, um ou outro intelectual.
- Ah! Obrigado -, responde o dono do louvor, sem graça e sem querer, por não saber bem se era elogio.
Homo sapiens, homo publicus...Categorizações sempre soam melhor em latim, eu acho. Não seria mais acertado homo academicus? Afinal, ensino em universidade há muitos e muitos anos. Difícil encaixar uma única denominação para a mistura de gente da minha espécie. Se bem que os tais homens/mulheres públicos são, em geral, fanáticos, só pensam nisso de serem públicos, condição de vida que, para mim, não é sine qua non. Tenho certeza.
Por outro lado, claro que me cabe o epíteto, se tomado no sentido de pessoa que se ocupa de causas públicas: educação, saúde, moradia, preservação do meio-ambiente... Suo minha camisa na luta pela saúde para todos, sem descriminações, desde que entrei para a faculdade.
Alguns incentivos para me tornar um homem público strictu sensu bem que os tive, mas a política com P grande não era minha carreira de escolha. Timidez, parece. Lembro-me da época em que me inculcaram na cabeça que devia ser prefeito da cidade em que vivo. Ums batalha para conseguir meia dúzia de adeptos à idéia. E de onde extrair os famigerados votos? Sem grana, nem cara de pau, como é que se pode ser político no Brasil?
Achava que político devia começar cedo, pela atração irresistível pelo poder, pela notoriedade. E tinha que ser viciado em votos. Caçar votos vicia mais que a caça aos animais dos ingleses antigos, desses que aparecem nas gravuras de época do meu living.
Certo que eu tinha lá minha dose de sedução, qualidade imprescindível aos políticos estrito ou lato senso. Conforme meus comparsas, não me falta simpatia até hoje.
- Raul é danado. Superpolítico, gente. Com seu sorriso de covinhas, conquista gregos e troianos.
Raridade num mundo de pessoas muito egoístas, eu me importo deveras com os demais da sociedade. Desde garotinho. Não que me despoje de meu próprio conforto. Tenho um à vontade para conversar com pobre, difícil de encontrar na classe média, salvo nos que se ocupam com obras de caridade. Em geral, gente abastada, que não quer ter sentimento de culpa ou almeja o Reino dos Céus. Abordado por um mendigo ou quase, num botequim qualquer da esquina, ofereço um golinho de café ou bebida, uma salgadinho, como se fosse um conhecido, e entabolo uma conversa, logo, logo. O que, certamente, choca as pessoas mais metidas à besta.
Meu pai era médico com uma baita clinica de moradores do bairro da Zona Norte do Rio de Janeiro. Aos cinco anos, eu aprendi a ler, segundo minha mãe, e nos jornais dela.
- Garoto prodígio esse meu filho!- contava ela às vizinhas. Pensa que lhe interessam as páginas infantís, de pouca letra e maiúscula ? Qual nada! Ele procura palavras de jornalistas. Se não entende direito, me pergunta o que é e eu troco tudo em miúdos pra ele.
Muito cedo aprendi a entender uma notícia, sobretudo, quando falavam bem ou mal da política do governo, e demonstravam com cifras o quanto nosso país é grande e rico de ofertas da mãe-natureza, embora pobre em muitas regiões do interior e mesmo dentro das cidades. Comecei a ouvir falar de favelas em garoto ainda.
Não era do meu tempo, mas prestava atenção quando falavam de Getúlio Vargas, um presidente híbrido, que aliava mão de ferro a políticas trabalhistas, a ações em diferentes áreas sociais, sempre em favor dos mais necessitados. Trabalhadores do Brasil, sua frase predileta dos discursos, não era uma balela.
- Isso é que é presidente!, pensava alto, mesmo que meu pai discordasse.
Quando ouvi pelo rádio a notícia da morte do estadista, depois do Getúlio ter sido eleito pelo povo, chorei demais. Tinha ódio de Carlos Lacerda. E não me saía da cabeça o combate à desigualdade social tão comentada, jamais resolvida.
A voz de meus colegas de vila de repente volta a meus ouvidos:
- Vamos bater bola? Vamos dar uma volta de bicicleta?
Por falta de inclinação a exercícios físicos, recusava, preferia as atividades sedentárias: ler e escrever. Gostava de futebol como todo brasileiro, mas não para gastar o corpo em peladas. Olha meu irmão que quebrou o nariz tão bacana num joguinho besta de fundo de quintal.
Um dia resolvi fazer um jornal. Era ainda um menino. Em uma semana, saía o jornalzinho de nossa vila. Ali, entre notícias tiradas de jornais da cidade, falava de tudo o que o me interessava, de eventos da rua, do calendário da cidade...
“Mês de junho, mês de São João. A rua vai ficar cheia de bandeirinhas e balões japoneses. Venha tomar canjica e comer pé de moleque!”
Depois de curtida a festa com os colegas, voltava à vidinha de escola e quarto da casa. Parecia mais escritor-futuro do que futuro médico-professor.
Só que a faculdade de medicina de filho de peixe me veio como caminho natural. Em meio aos livrões de vergar coluna, a prática médica. Interessado nos doentes sem dinheiro, sempre os tratava com atenção e cuidado, na enfermaria do hospital universitário. Não era apenas a doença que me dava pena, mas a junção dela com pobreza, para mim, a pior coisa do mundo.
De repente, impulsionado por inclinação não suspeitada, o clínico geral descubriu que tratar da saúde tinha outras conotações: me envolví com o estudo teórico da organização da saúde e dos meandros da desigualdade do atendimento médico. Isso me fez um homem público? Cresci rápido na área.
- Michel Foucault chega esta semana para o simpósio – anunciaram os organizadores do encontro, com orgulho.
A lembrança do acontecimento inusitado me faz refletir sobre como classificaria Foucault e outros tantos pensadores da sociedade, que conheci pessoalmente ou de leituras. Outra vez a categorização em minha cabeça. Homo academicus é pobre demais para quem não se conforma a padrões estabelecidos e quebra estruturas. Homo sapiens no verdadeiro sentido da palavra, sem sombra de dúvida, mas é banal demais, embora muitos seres pensantes não mereçam a classificação, por não saberem usar bem suas funções. Homo philosophicus cabe, sim, no sentido mais amplo.
Entre aulas dadas na mesma universidade que me formou, recebi convites para trabalhar em outros países e muitas comemorações de sucesso. Modéstia à parte, acho que minha vida bem que merecia uma biografia especial. Só a quantidade de hablas – gente que hablaba español da América Latina- com quem eu convivia, daria para encher muitas páginas de troca de conhecimento, misturada com alegria e muita festa, que eu nunca fui um chato. Lembro dos bobós de camarão, oferecidos por uma grande amiga aos visitantes, com uma saudade... Afastado dos latino americanos, adeus, bobó, adeus caipirinhas degustados pelos convivas. Eles sabiam, como eu, juntar trabalho e festa, na maior. Num instante, aprendi espanhol.
No dia em que voltei do único cargo público que tive na vida, o homo politicus se desvaneceu. Tinha vivido as sinuosas vias da vida política, com a idéia fixa de sempre: ajudar a causa pública. E, pasmem, não enchi os bolsos às custas do cargo, graças a Deus!
Hoje, após muitas façanhas, acho que tenho direito à paz do lusco-fusco profissional. Muita luz acaba com a imagem, já se sabe. Hora de levar a vida com mais cuidado, sem abdicar da criatividade, que ajuda o ser humano a manter-se alerta, logo, vivo.
De vez em quando, a voz da gerente do banco volta a meus ouvidos: ... Um homem público, um homem público. E eu, sem entender direito, sorrio sem graça e baixo os olhos, meio que envergonhado, como é de meu feitio.

Maria Lindgren

domingo, 17 de outubro de 2010

Sonho passarinho

Sonho passarinho...
Eliana f.v. – Li Andorinha

Num mundo de terra sem cimento
O transporte é a imaginação
Sem pressa de chegar

Cidades surgem de gargalhadas
E as casas são como os jardins
Onde o afeto brinca a vontade

Ladeado por árvores evoluindo nativas
E a grama amaciando os passos...
Esse mundo é essência pura!

Nele sou a risada das fadas
Caminhando pela estrada
Sem medo de ser atropelada

Pois as ruas não oferecem perigo
São feitas de alegria solar
Com gotas de orvalho marinho

Elaboradas principalmente
Para a folia no banho de chuva
E a corrida das sensações ao vento

Gente grande?!... São como pássaros...
Cuidando da liberdade de suas crias
Alimentando-as com carinho
***
*
imagem do magnífico fotógrafo 
Cesar Andrade 



sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Desabrochar - duo foto- poemeto



Desabrochar

* virgínia além mar para foto de Eliana Li Andorinha





Um encantamento encarnado
entre o emaranhado de tons verdes

como a chama que brota no peito

a Rosa traz consigo a insigne paixão

da amizade que é um pulsar bravio

diante à vida

também estímulo e carícia que nos
faz renascer
tornamo-nos fenix ganhamos asas e

mais uma dose de boa Poesia se fez...

domingo, 12 de setembro de 2010

...ver as coisas como elas realmente são...

Vipassanā (Pāli) ou vipaśyanā (sânscrito) significa "insight", ver as coisas como elas realmente são. Mesmo tendo sido ensinada na Índia há 2500 anos por Gautama, o Buda, a Meditação Vipassana não está ligada ao budismo ou a qualquer outra religião, podendo ser praticada por todos independentemente de crenças religiosas. Enquanto as práticas da meditação variam de tradição em tradição, o princípio subjacente é a investigação e entendimento dos fenômenos manifestados nos 5 agregados (skandhas), nomeados como apego à forma física (rūpa), sensações ou sentimentos (vedanā), percepção (saṃjñā, Pāli saññā), formações mentais (saṃskāra, Pāli saṅkhāra) e consciência (vijñāna, Pāli viññāṇa). Este processo é um caminho para a experiência da percepção direta, vipassanā.



Num sentido mais amplo, vipassanā tem sido usada como um dos dois polos para a categorização da Meditação Budista, sendo o outro a samatha (Pāli) ou śamatha (Sanskrit). A Samatha visa o desenvolvimento da tranqüilidade através de estados de absorções meditativas, comum em diversas tradições em todo o mundo, tendo se espalhado principalmente através do yoga. É normalmente usada como uma iniciação ao vipassanā, tranquilizando a mente e fortalecendo a concentração para tornar possível o "insight". Esta dicotomia pode ser discutida como "parar e observar." Na prática Budista, é dito que enquanto a samatha pode tranquilizar a mente, somente o "insight" pode revelar como os distúrbios da mente se iniciaram, guiando o indíviduo ao prajñā (Pāli: paññā, conhecimento) e ao jñāna (Pāli: ñāṇa, sabedoria pura), assim o prevenindo de novos distúrbios.



O termo é ainda usada para denominar o Movimento Budista Vipassana, moldado após o Budismo Theravāda, que emprega a meditação Vipassanā e ānāpāna como técnicas primárias nos ensinamentos de Satipaṭṭhāna Sutta. Vedanā (sentimento/sensação) é o aspecto inicial da investigação.

Do ponto de vista da doutrina budista clássica, a palavra "Buda" denota não apenas um mestre religioso que viveu em uma época em particular, mas toda uma categoria de seres iluminados que alcançaram tal realização espiritual. Pode-se fazer uma analogia com a designação "Presidente da República" que refere-se não apenas a um homem, mas a todos aqueles que sucessivamente ocuparam o cargo. As escrituras budistas tradicionais mencionam pelo menos 24 Budas que surgiram no passado, em épocas diferentes.



O budismo reconhece três tipos de Buda, dentre os quais o termo Buda é normalmente reservado para o primeiro tipo, o Samyaksam-buddha (Pali: Samma-Sambuddha). A realização do Nirvana é exatamente a mesma, mas um Samyaksam-buddha expressa mais qualidades e capacidades que as outras duas.

Atualmente, as referências ao Buda referem-se em geral a Siddhartha Gautama, mestre religioso e fundador do Budismo no século VI antes de Cristo. Ele seria, portanto, o último Buda de uma linhagem de antecessores cuja história perdeu-se no tempo. Conta a história que ele atingiu a iluminação durante uma meditação sob a árvore Bodhi, quando mudou seu nome para Buda, que quer dizer "iluminado"
Existe uma passagem nas escrituras [Anguttara Nikaya (II, 37)] - a qual é freqüentemente interpretada de maneira superficial - na qual o Buda nega ser alguma forma de ser sobrenatural, mas esclarece:

"Brâmane, assim como uma flor de lótus azul, vermelha ou branca nasce nas águas, cresce e mantém-se sobre as águas intocada por elas; eu também, que nasci no mundo e nele cresci, transcendi o mundo e vivo intocado por este. Lembre-se de mim como aquele que é desperto."
 
- fonte wikipédia -
afetuosamente, virgínia

" não existe conflito entre bem e mal mas entre conhecimento e ignorância " Buda - Siddhartha Gautama

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Pai - virgínia além mar

PAI


Na solidão
No escuro na noite
Ante os desafios
Onde o medo infantil é cruel
Tua presença introjectada
Teu carinho encorajador
Estiveram presentes

Pai também depositaste confiança
E semeaste valores que protegem
Amigo soubeste ser
Ensinaste a rir de si mesmo
A jogar ,brincar com adversidades
E a levar a sério o respeito
A consideração para com todos


Pai muito de ti em mim vive
E desta parcela do aprendido
Retiro forças para perseverar na singularidade
Com admiração
Com amor eterno e gratidão
Sei que na imensidão consegues distinguir
Meu olhar a ti dirigido ...

&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&&
uma biografia poética sobre este mestre amigo na minha coluna no VMD
"A vida é para quem voa, correr é se arriscar"

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Divagações II – virgínia além mar


Ao andar pela cidade, diariamente por quarenta e cinco minutos, muitos pensamentos e reflexões me assolam. Penso quando a noite no computador, irei registrar tais considerações. Retorno ao trabalho e a inspiração é tragada pelas angústias e dores dos pacientes. Entrego-me e esqueço da Poesia, da reflexão e cota de alegre descoberta mental. A noite enfim sento-me frente ao PC na esperança de que a bela idéia retorne mas ao contrário um branco absoluto instala-se. Como não bastasse a si mesma, a falta traz consigo um sentimento de total desnecessidade de algo registrar, como se aquilo, o isto que me pareceu de alguma importância já não a tivesse e num disparate desnecessário tornara-se.



Então procuro por uma palavra que traduza a palidez casta da lua as cinco da tarde. Rogo por uma expressão capaz de, ligeiramente, capturar as cores da água que corre e leva consigo imagens ribeirinhas. Persigo um adjetivo que defina a abóboda celeste regada de misteriosa lentidão, indiferente a pressa humana soprada pelo hálito das vinte horas. Reviro um dicionário mental sem encontrar o signo que transcenda o delírio dos amantes ...



São estes todos meus particulares invernos, como se a neve dos pólos em meu cérebro estivesse...



Mas é de fato inverno no sul, menos rigoroso mas típico, com manhãs geladas, chuva abundante e algumas flores da estação amenizando meios dias de mãos nos bolsos e pés enfiados em meias e botas deixando abafados dedinhos que sentem uma saudade danada de pisar em cálidas areias e transpirar livremente.



Um olé é necessário; temos agasalhos e por aqui grandes calamidades não houveram.



Borbulha no frasco que contem frágil existência, uma herança; fragrância dos trópicos quimeras da primavera eterna a soprar é a vida e nela cabem lembranças e sobretudo esquecimentos e a eles brindo pois que outono com sucesso alcançou seu final e consigo tantas crianças e fizeram-nos crer que as que vivem no céu sorriem, por doce inocência e latente uma palavra ressurge no horizonte entre raios e trovões desta noite; vida !

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Pelo Meio Ambiente e por nós mesmos - virgínia além mar



Falar de meio ambiente sem mencionar a importância dos povos indígenas é cometer erros do passado, assim como falar do meio ambiente sem tocar na questão da ecologia mental-afetiva( Felix Guattari ) seria um equívoco que criaria um abismo ainda maior entre o homem e seu meio, o ambiente que ele cria, melhor co-criador é o homem contemporâneo, mais que no passado pois a consciência de interferência humana na natureza que o acolhe e que faz parte, já é bastante ampla e difundida.



Mesmo que querendo esquecer e mergulhar numa atitude alienada e desinteressada, já não é mais possível ao homem sonâmbulo encontrar abrigo fora das lutas comuns a todo aquele que traz em si o mais forte clamor biológico; a preservação da espécie. Para que seu direito seja preservado os dos demais igualmente terão que ser respeitados, incluindo fauna e flora. Homens do campo, da floresta, das montanhas, do litoral, ou seja, todos constituem uma só raça com um diversidade impressionante. As diferenças culturais se enriquecem e muitas dignidades são louváveis, conquistas a serem aprendidas, contempladas com humildade e reverência.


Nesta semana do Meio Ambiente, no dia em que culminam as manifestações desejo não calar, assim como tenho expressado modestamente meu clamor à terra e aos índios, meus irmãos em poesia, deixo-os com meu mais profundo e caloroso abraço queridos amigos com estas singelas palavras em defesa do que é simples, real e magnífico; pisar este chão, respirar ao ar livre sem máscaras, mergulhar em águas puras, morder os frutos frescos e sem pesticida, deixar uma chuva fina lavar as culpas por inúmeras vezes esquecer de louvar e ajudar a replantar o que se destrói e ou usurpa sem limites.


Então que flor orvalhada possa conter a ânsia de que as crianças sejam a esperança e que possam no futuro olhar para trás e agradecer por termos virado o jogo a tempo de seus próprios filhos regalarem-se com alguns encantos naturais.



mais uma dica lindíssimo vídeo de uma banda que adoro

Enigma - Return To Innocence

... Uma criança no escuro, tomada de medo, tranqüiliza-se cantarolando. Ela anda, ela pára, ao sabor de sua canção. Perdida, ela se abriga como pode, ou se orienta bem ou mal com sua cançãozinha. Esta é o esboço de um centro estável e calmante, no seio do caos. Pode acontecer que a criança salte ao mesmo tempo que canta, ela acelera ou diminui seu passo; mas a própria canção já é um salto: a canção salta do caos a um começo de ordem no caos, ela arrisca também deslocar-se a cada instante...(Deleuze e Guattari - nós inventamos o Ritornelo
 

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Mel e Enxaimel numa atmosfera musical em Ivoti

Neste domingo  estive em Ivoti RS- BR, na  Festa do Mel. Minha impressão foi das melhores tanto quanto ao sabor do Mel propriamente, quanto da organização do envento.



Uma delicia também, sentar à sombra dos Plátanos e viajar no tempo através da arquitetura enxaimel. No interior das casas há peças de mobiliário da época, inicio da imigração alemã na região. São pequenos museus que no local podem ser apreciados, com tranquilidade e, gozando de ventilação natural e, com uma simplicidade acolhedora, deixando-nos muito à vontade o que cria um clima especial para ouvir, com  privilégio a orquestra de sopro de Nova Petrópolis executando melodias de muito bom gosto.    


A poucos metros das casas e da festa um recanto bucólico e a zona rural pode ser apreciada.


Uma banda típica alemã circulava entre os visitantes de forma descontraída,


demonstrando a musicalidade  desta comunidade que se dedica à apicultura com muito esmero também à agropecuária e  ao artesanato além de uma diversidade de  produtos coloniais. A cidade de Ivoti  denomina-se Cidade das flores. 
Adorei conhecer melhor esta gente trabalhadora, bonita e  exemplar em sua amabilidade, diversas habilidades  inclusive a de preservar sua história com carinho e orgulho.

 Fotos Slide show aqui
Para conhecer mais desta cidade do interior do RS BR Núcleo de Casas Enxaimel da Feitoria Nova . Visite o site da  Cidade  aqui

domingo, 16 de maio de 2010

Comunhão - virgínia além mar

Comunhão

                                                  *virgínia além mar



Oh grande água, nau bendita
Que tudo leva, transforma e vivifica
Traz sossego à mente aflita
E as inquietudes pacifica


Pousando olhar na nuvem bonita
Ou na cor do mar que se modifica
E ao crer que interages com esta que te fita
O ser se refaz e da benção se certifica


Quirelas vão-se dando espaço à alegria
São momentos de perceptos e alforria.
Religar-me à fluidez é o que mais queria


Oh magnífica visão, tua existência me é vital
Uno ao teu meu oxigênio, luz e sal
Seguindo, então, liberta à circulação fundamental ...


para ouvir  e relaxar com o CD
Os Movimentos do Mar
de Cociolli clique aqui
-01 Mar Infinito 02 Nossos Amigos Golfinhos 
03 Pegadas Na Areia 04 Prece Dos Oceanos 05 Passeio das Ondas

terça-feira, 4 de maio de 2010

Com a Arte e a Natureza...

Com a Arte e a Natureza...
Eliana f.v. - Li Andorinha

O fascínio da minha curiosidade
Tem a dimensão do universo
E a flexibilidade dos sonhos

Absorta no renascer fênix da floresta
Primitivo ainda é o meu contemplar
Que vagueia embriagado pela arte

Gratificando o espírito com intensidade
Resgata uma alegria genuína do caos

Desaguando dos meus olhos em cachoeira
Delírios experimentando a liberdade

****//****

Grata PoetAmiga Virgínia além mar
por teu bom dia com Arte que no domingo
ofereceu ao nosso grupo...
Simplesmente Maravilhoso!
Grata por mais esta inspiração

sábado, 1 de maio de 2010

SIMPATIA - Primeiro de Maio

* virgínia além mar
Na luta irmão
na palavra expressão de sentimento
na organização fermento
Trabalhadores são a riqueza da nação

Compadeço-me diante àqueles que direitos não vêem
de lançar mão de regime escravo
que, sendo os mais humildes o suficiente não tem
Quem os livra de jornada e imposto pesado ?


Ergo uma bandeira, a de liberdade
que só pode haver com justiça e igualdade
No mais íntimo me comovo
diante o desprezo à grande parte deste povo

Alinhavo minha fibras aos que esperam
Abraço o pensamento dos que perseveram
busco tecer atitude
que acolhe o trabalho como suprema virtude

Aos aristocratas, burgues e burocratas falta convicção
nada lhes falta, desconhecem empatia
e dos diferentes não enxergam a valentia
Aos esquecidos e ou ilustres trabalhadores minhas saudações



Em 23 de Abril de 1919 o senado francês ratifica o dia de 8 horas e proclama o dia 1 de Maio desse ano dia feriado. Em 1920 a Rússia adota o 1º de Maio como feriado nacional, e este exemplo é seguido por muitos outros países. Apesar de até hoje os estadunidenses se negarem a reconhecer essa data como sendo o Dia do Trabalhador, em 1890 a luta dos trabalhadores estadunidenses conseguiu que o Congresso aprovasse que a jornada de trabalho fosse reduzida de 16 para 8 horas diárias...

quarta-feira, 28 de abril de 2010

A filosofia do ser e a filosofia do extra-ser – Platão, Aristóteles e os Estoicos

Aula de 19/05/1994 – A filosofia do ser e a filosofia do extra-ser – Platão, Aristóteles e os estoicos

Cl: A vida organiza, é centro. Ela centrifica! Todo ser vivo ele vê. Vê é uma palavra falsa, ele percebe. Pode perceber acusticamente, sonoramente, seja lá como for, ele percebe essas imagens segundo ele.


Agora, uma vez acabada a vida, o que acontece? O caos retorna!
....

Um pintor austríaco, chamado Paul Klee, se coloca como um artista que ao invés de centrar a sua visão do mundo em cima da sua percepção ele quer apreender o mundo segundo o que ele chama de PONTO GRIS. (Marquem esse nome).

Ponto gris é um nome meio português meio espanhol meio francês… Como o Paul Klee é austríaco, seria diferente.

Ponto gris. É como se ele apreendesse o caos. Ou seja, pra ele o artista não apreende (vou usar a Cacau) uma matéria formalizada. Porque a percepção só apreende matéria formalizada, só apreende imagens formalizadas. O Paul Klee apreenderia o que ele está chamando de ponto gris. O ponto gris é uma matéria caótica.
...
http://claudioulpiano.org.br.s87743.gridserver.com/?p=2450


sábado, 24 de abril de 2010

Inabilidade

       
* virgínia além mar

Ai que minha memória falha
Tomo gincobiloba e faço meditação
Sonetar exige mais que coração
E, se o mestre à minha rima ralha?


Um sábado foi preciso a calha
Um punhado de sol e contemplação
Mais que um amor, malhação
Contudo sei excesso atrapalha...

Razão e emoção conjugados
Pitadas de sonho e lembranças
Ofício de Poeta nos quer acordados

De Soneto não sou professor
Com errâncias construo sentenças
Faço do exercício e mau jeito meu confessor


ilustração fonte internet

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Adágio de outono

Adagio de outono -

virgínia além mar in EBook Apologias de um Viajante pag 17 e 18

em Si acolhe um término
em Lá um recomeço

em Fá algo por fazer

em Sol a esperança ainda em botão

em Dó as despedias...

em Ré a lembrança necessária
e
um desejo em Mi que não cala
rever o desabrochar das primaveras

quarta-feira, 21 de abril de 2010

< ESPANTO >

"A coisa mais bela que o homem pode experimentar é o mistério. É esta a emoção fundamental que está na raiz de toda ciência e arte. O homem que desconhece esse encanto, incapaz de sentir admiração e estupefação, esse já está, por assim dizer, morto e tem os olhos extintos".

um dos motivos mais poderosos que conduziram o homem em direção a arte e a ciência foi o de escapar do quotidiano”

Há momentos em que se sente liberado de seus próprios limites e imperfeições humanas. Nesses instantes a gente se sente num pequeno canto de um pequeno planeta com o olhar fixo e maravilhado na beleza fria mas contudo profunda e emocionante do que é eterno e incompreensível.
A vida e a morte se fundem e não há nem evolução ou destino,
apenas o SER “ Albert Einstein
                          &&&&&&&&&&&&p
FÍSICOS BUSCAM A “TEORIA DO CAMPO UNIFICADO” ...Até sua morte em 1955, Einstein procurou por uma formulação geométrica que não só explicasse os fenômenos eletromagnéticos, mas também os unificasse com a gravitação. Uma teoria unificada da gravitação e do eletromagnetismo trata fenômenos gravitacionais e eletromagnéticos como manifestação de uma única força, ou mais precisamente, de um único campo, o campo unificado. A cada força está associado um campo. Se colocarmos um prego perto de um ímã, sentimos a presença do campo magnético criado. Campo é uma manifestação espacial da presença de uma certa fonte.
                                              26/10/1997  Marcelo Gleiser
A idéia de unificação é fundamental em física. O poder ou eficácia de uma teoria pode ser medido pela quantidade de fenômenos diversos que ela pode explicar. Newton unificou a física dos fenômenos gravitacionais celestes com a dos fenômenos gravitacionais terrestres. No século 19, Faraday, Maxwell e outros mostraram que fenômenos elétricos e magnéticos podem ser descritos conjuntamente pelo campo eletromagnético.

Apesar de Einstein ter falhado em sua missão, sua influência permanece viva até hoje. A idéia de unificação de forças é uma das mais populares entre físicos teóricos do mundo inteiro. Ao eletromagnetismo e à gravitação são adicionadas duas outras forças, que se manifestam apenas a distâncias subatômicas, que são as forças nucleares forte e fraca.

As quatro forças descrevem, em princípio, todos os fenômenos observados, desde escalas microscópicas às macroscópicas. Portanto, a "Teoria de Tudo" unificaria as quatro forças fundamentais em apenas uma, a força unificada. Essa unificação se manifesta apenas a energias extremamente altas, muito mais altas do que nós podemos testar nos laboratórios atuais. Por trás da realidade física, apenas visível a energias altíssimas, existe uma outra realidade, em que tudo é manifestação de um campo unificado. Em sua intimidade, a natureza é extremamente simples.

A idéia de unificação das quatro forças fundamentais não é absurda nem influenciada por tendências monoteístas, como pode parecer. Já conseguimos unificar as forças eletromagnética e fraca, conforme comprovado experimentalmente em 1983 por Carlo Rubia e seu time em Genebra, baseados em previsões teóricas de S. Glashow, A. Salam e S. Weinberg. A energias cerca de mil vezes maiores que as nucleares, as forças eletromagnética e fraca se manifestam como uma única força, a eletrofraca. O próximo passo é incluir a força nuclear forte e, eventualmente, a gravitação nessa unificação. Talvez a visão de Einstein não tenha sido apenas uma fantasia.
TEXTO PARCIAL - do texto: Especial para a Folha Editoria: MAIS! Página: 5-16 10/13039-Edição: Nacional Oct 26, 1997-Seção: CIÊNCOA; FUTURO; MICRO/MACRO-Observações: PÉ BIOGRÁFICO