Follow by Email

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Marrakech

Caríssimo escritor A.Augusto Bandeira  um privilégio ler-te, adorei reler esta cônica sobre Marrocos, sem dúvida é palco de " revivermos" nossas fantasias que preenchem mais de "Mil e uma noites" um lugar que vale a pena voltar...apesar de alguns dizerem que o bom viajante n. retorna ao mesmo destino...
meu aprêço, agradecimento e carinho tua leitora e amiga
 virgínia vicamf  (  espero que gostes da ilustração) sds literárias
 
 
Crônica de Antonio Augusto Bandeira ( Porto Alegre RS BR)
Estamos em Marrakech, a cidade cor de rosa. Todos edifícios e casas pintadas de cor de rosa, explicação que ouvíamos em virtude do Monte Atlas, neve eterna no cume e o deserto, foi escolhida a melhor cor para os olhos.
À noite fomos a tão falada e esperada festa fantasia que outros andantes nos haviam recomendado aqui na santa terrinha.
Naturalmente as pessoas que me conhecem, sabem que uma das minhas muitas virtudes é ser modesto. Todavia tenho que reconhecer que estava bonito para caramba.Com aquela vestimenta árabe, com capuz e tudo, chinelinho e uma espécie de touca vermelha na cabeça, cigarrinho na boca, beleza pura.
Fomos de ônibus para o deserto.Recebidos por cavaleiros árabes, dançarinas, tendas estilo mil e uma noite de filmes coloridos, jantar maravilhosos com excelente vinho marroquino que só os turistas bebem, pois o Corão proíbe bebida alcoólica, tudo para encher os olhos de inglês e muito mais brasileiros do sul. Foi divertido.As dançarinas faziam movimentos sensuais e derrubavam os turistas dançando em cima deles, Faziam sons estranhos com a língua. Uns blá, blá...Só vendo, pois dica difícil transcrever.
No final todos fomos para um picadeiro assistir cavaleiros árabes fazerem proezas com os cavalos.Os caras, com os cavalos a todas, ficavam esticados como corpo de fora, pendurados no estribo por um pé só.Terra-cavalo. Loucuras. Nos encerramentos os cavaleiros vieram em direção aos turistas e derem uma descarga de pólvora seca.
Uma senhora festa!
Na volta estávamos todos alegres. A festa, o vinho, as danças, os cavalos, o deserto e as tendas davam uma sensação de encantamento.
No ônibus, com soí acontecer, os pouco brasileiros ficaram na parte do fundo.Na cozinha.Na frente iam os argentinos, os canadenses, os australianos, os espanhóis e o guia acompanhante marroquino. A noite estava agradável e quente.
O guia e o sujeito tinha boa voz, começou a cantar. Músicas francesas, americanas, tangos argentinos, sambas brasileiros. E todos cantavam juntos. Só que depois dos sambas, a “cozinha” dos brasileiros começou a puxar musicas de carnaval. E assim foi que em plena Marrakesch , se ouvia:
“Allah, Allah, meu bom Allah, mande água para iaia, mande água para ioio, Allah, Allah, mas que calor, oooooo...”.
( do livro Crônicas em Folhas Brancas)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

comentários são bem vindos, grata!