Follow by Email

quinta-feira, 12 de março de 2009

Com a lua na rua ...

Com a lua na rua ...

No silencio das vinte e três horas nem a brisa ousou comparecer, a lua soberana ganhava alturas e o destino dos olhares ...
Foi no apagão de uma terça feira que a espuma de sombras enveredou-se nas ruas...
Uma palmeira assombrava com sua cabeleira o banco vazio.
Dos sofás nenhum ruído ou suspiro ouvia-se além das chamas de poucas velas em lágrimas quentes, Quente também era o hálito da noite em despedida do verão.
Algodoadas nuvens rodeavam a mansidão criando halo colorido no luar de quase meados de março, já abrilhando as paineiras da cor do mais pálido ruge..
Dos quintais úmidos vapores erguiam-se como das entranhas do verso a compor..
Crianças dormiram mais cedo, os aparelhos televisivos, computadores, ventiladores,
ar condicionados e geladeiras estavam de férias coletivas deixando ao total abandono a população inconformada.
Foi a mais linda noite de luar que presenciei na cidade, se fosse uma criança acharia que meus mais profundos desejos de escuro haviam sido atendidos, mas como sou poeta sorrio e pisco pra lua, em delicada cumplicidade ...
* virgínia além mar - 11 de março 09-
Publicado no Recanto das Letras em 13/03/2009Código do texto: T1483901
e AVBL -

2 comentários:

  1. mas como sou poeta sorrio e pisco pra lua, em delicada cumplicidade ...


    Esta é sim uma grande poeta, sorri e pisca para o luar, que coisa mais linda você teceu de sua alma, meus cumprimentos, com admiração,
    Efigênia

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

comentários são bem vindos, grata!