Follow by Email

sábado, 14 de março de 2009

POETAS- Florbela - Michèle & além


Poetas- Florbela Espanca

Ai as almas dos poetas
Não as entende ninguém;
São almas de violetas
Que são poetas também.

Andam perdidas na vida,
Como as estrelas no ar;
Sentem o vento gemer
Ouvem as rosas chorar!

Só quem embala no peito
Dores amargas e secretas
É que em noites de luar
Pode entender os poetas.

E eu que arrasto amarguras
Que nunca arrastou ninguém
Tenho alma pra sentir
A dos poetas também!
(F. Espanca,do livro Trocando olhares )




* virgínia além mar ,Belo é dizer mesmo duas vezes o que é necessário.
-Empédocles-Sobre a Natureza)


Poeta-Letícia Thompson

Ser poeta é ter a capacidade de medir a alma humana, não em grandeza, mas em profundidade. É ter a facilidade de dizer em poesia o que muitos sentem, mas não sabem exprimir. É viver um pouquinho da vida de cada um, dos sonhos de cada um, das felicidades e infelicidades de cada um.
Um poeta é um ser múltiplo, mas solitário muitas vezes. É um ser só repleto de sonhos, dele e dos outros. Um poeta dói sempre em si mesmo. Ele se desnuda, quando nem todos sabem compreender a sua nudez e ele se entrega quando nem todos estão preparados para recebê-lo.
Um poeta inventa palavras, reinventa a vida. Cria sonhos que nem sempre vive.
Quando ele ama, ama intensamente; quando sofre, sofre como ninguém. Ele não conhece mais a vida que outras pessoas, mas talvez caminhe um pouquinho à frente nas adivinhações das probabilidades dos sonhos, das possíveis dores e lágrimas. E nem por isso pára no meio do caminho... ele avança, vivendo por ele, vivendo pelos outros, com todos os riscos que isso pode acarretar.
Um poeta é uma alma à parte. Não melhor, nem pior. À parte, apenas. Ele é a corôa de si mesmo, de glórias, mas também de espinhos. Ele sangra voluntariamente se a razão é o amor.
Um poeta é uma multidão em um único ser.

Letícia Thompson
contact@leticiathompson.net

Um comentário:

  1. Maravilhosa postagem minha Virgínia manamiga querida!!! Com Florbela Espanca em "Poeta"
    e também essa tua apurada sensibilidade em
    "como albatrozes" imagem de arrepiar a alma...
    Que gostoso encontrar essa obra prima da nossa queridíssima madrinha Michèle! Saudades do seu belo poetar...
    Parabéns e Obrigada poetas que admiro muito mais além poesias...
    beijinhos de surper bem querer da Li mais Admiração

    ResponderExcluir

comentários são bem vindos, grata!