Follow by Email

domingo, 30 de agosto de 2009

Michèle Sato e alguns de seus fascínios

<<...Citando os fenomenólogos ateístas, como Sartre, MPonty ou Camus; Karen Armstrong é genial em afirmar que “um ateísmo apaixonado e engajado pode ser mais religioso que um ateísmo morno”. Durante os anos que neguei este Deus instituído, sempre percebi que onde havia esperanças, havia religião. Também percebi que a alma generosa sempre tinha uma fé em evidenciar um outro ser absoluto que eu habitualmente negava. Ora, se Heidegger estiver correto, quando afirmava que o outro é nada, contudo, só ele torna possível a nossa existência, talvez eu possa aproximar meu ateísmo apaixonado ao campo religioso. ...> Michèle Sato

O INSTITUÍDO E O INSTITUINTE DA ERA DE AQUÁRIOMichèle Sato

hoje recebi um scrap que perfaz o fascínio das águas suas cores sons-movimentos, entre o silencio das rochas no viver das ilhas possíveis e um pouco da arte de Magritte

trago também o Poema de Michèle

na geografia do atrito
américa - europa - áfrica
cabo verde provocao confronto da fricção
a calmaria da união
mar pedra
mão pedra
mulher pedra
pedras do brasil
brasil de pedras== saudades...[mimi]*..*..*



impressões de um País http://www.orkut.com.br/Main#Scrapbook.aspx

VICA
como vai, tudo bem, querida amiga?Segue mais um trechinho do meu diário para vc... Em Cabo Verde, 04ago09...Um dia quente que começava atrasado no mau humor da espera. Uma viagem longa que nos movia a comprar a comida e bebida ainda faltosas após o cuidado solidário da Aidil, doce e tão hospitaleira amiga cabo-verdiana... A paisagem mostrava exuberante de um lado, com um azul do mar tocando a beira da ilha, oferecendo dádivas em tom turquesa que arrebatavam corações brasileiros. Após cada curva, nova descoberta de pedacinhos do mar, fragmentos de rocha e detalhes singulares de belezas em movimento. Maré alta, maré baixa, água azul, água branca... Porém, do outro lado, a aridez das montanhas me dilacerava as entranhas, nas pedras sobre as pedras de um deserto montanhoso, sem uma sombra ou árvores grandes que justificassem o verde ecologista. Nunca estive num país com tantas rochas... pedras de todos os tamanhos, cores e talvez sabores. Se elas pudessem falar... Quanta memória haveria silenciada - Michèle Sato

Um comentário:

  1. Nossa querida mestra Mimi com seus textos sempre tão poéticos!
    Impressionante a sua capacidade de criar e transmitir a arte com tamanha beleza

    Que gostosa essa postagem Vi!
    deslumbrante o video com a arte de Magritte

    É gratificante passar por aqui e te encontrar
    acompanhada da nossa madrinha preciosa Michèle!

    beijinhos em revoadas de carinho da Li que
    Adora e Admira muito vocês duas

    ResponderExcluir

comentários são bem vindos, grata!