Follow by Email

quinta-feira, 4 de março de 2010

Filha das águas ...

Filha das águas ...

* virgínia além mar


Tendo-a visto surgir no leste
Imensa, ousada também ousei
Desci do apartamento, peguei a avenida
e rumei em sua direção
quanto mais os ruídos da rua
mesclavam com os da noite próxima
mais meus passos apressavam-se
enquanto ela ia ganhando as alturas
face a face nós comungamos
a velocidade dos automóveis
o sabor dos grilos no resto de verão
o aroma de goiabeiras e acácias...

como deixá-la só na rua ?
acompanhei sua jornada sorridente
até que bastante alta e salva de toda palavra
e ruído estava

em frente à frondosa árvore sentei-me
e ela bonita agora mostrando-se alva
deixou cair entre meus olhos um cristal
de som limpíssimo
um silencio veio acompanhado pelo doce
canto das águas...

quero crer que ela também é filha das
marés e de todas águas mãe -irmã
místico corpo, fragmento de Gaia a viajar
solitária e nua !

bem mais que desprotegida ou soberana
pois , mexe com nossa imaginação!

à seus pés nos faz crianças cheias de espanto !

não foi fácil dar as costas a tamanha visage
mas o fiz já sem pesar
pois a Lua tanto quanto as gentes de meu peito
estavam por mais um tempo a salvo
o que ficou para traz se perdeu de minha mente
e novas foram todas as estrelas que iluminaram
meu retorno ao lar...
* NH 28 fev 2010 - Lua Cheia
imagem internet - muito próxima a visão que tive da Lua neste final de tarde , incluindo os altos prédios.

2 comentários:

  1. Fiquei maravilhada com tua escrita! Belíssimo! Escreves divinamente bem. Quanta sensibilidade poética. Será uma honra acompanhar os passos de uma mestre.

    Jesus te abençõe! Ótimo domingo!

    bjos no seu coração

    ResponderExcluir
  2. Virgínia minha querida PoetAmiga!!! Que bom dia mais DIVINO nos deu!!!
    Que imagem Maravilhosa vejo em teus versos! PARABÉNS!
    Muito Agradecida deixo meus singelos versinhos

    Em seus versos sinto a “Lua”
    A poeta Virginia F. além mar
    Eliana f.v. – Li Andorinha


    Olhei para o céu procurando a lua
    Mas só... chovia...chovia...
    E a minha lua eu não via
    Muda... fico na espreita...

    Assim sua imagem eu vislumbro
    Com a imaginação impregnada
    Da poção mágica que dela recebo
    Fazendo festa com a chuva

    Sorrindo mergulho na lembrança
    De quando a vi nascer das águas
    Mas agora venho à tona mais feliz

    Pois vejo chegar Virgínia tão poetinha!
    Com seus versos deslumbrantes
    Cintilando todo o encanto da Lua
    01-03-2010

    Mais beijinhos em revoadas de carinho da Li que te admira e quer bem

    ResponderExcluir

comentários são bem vindos, grata!